PUBLICIDADE

‘Exagerado 3.0’: música de Cazuza ganha versão inédita

Com voz do cantor e um time de peso do cenário do rock, nova edição da música celebra 30 anos do single

9 jun 2015 09h00
ver comentários
Publicidade

O primeiro single de Cazuza, a música Exagerado, que deu o nome ao álbum solo do cantor, em 1985, terá os seus 30 anos de história celebrados por uma nova versão, um “re-colour” que promete trazer de volta às paradas um dos mais emblemáticos hinos do rock and roll nacional.

Foto: Reprodução / Youtube

O time envolvido para colocar o projeto de pé é de peso. Com realização da Musickeria CORP, “Exagerado 3.0” tem produção musical, baixo e violões de Liminha, bateria e pandeirola a cargo de João Barone (Paralamas do Sucesso), guitarras por Dado Villa Lobos (Legião Urbana), teclado e programações por Kassin e mixagem de Liminha e Daniel Alcoforado, mantendo a voz original de Cazuza.

O que é?
O processo de "re-colour" consiste em colocar uma nova roupagem na música, com trilhas e elementos instrumentais inéditos, para imprimir estética e “cores” mais contemporâneas, mantendo a voz de Cazuza e a essência original da canção.

Emoção pura
“Quando chegou a voz do Cazuza, limpa, sem nenhum instrumento, senti uma emoção grande”, declara Liminha. “Como ele canta bem, como ele interpreta, como a versão é incrível”, completa Dado Villa Lobos. “Quando a gente ouve a voz solada de Cazuza, sente um arrepio”, destaca Barone.

“Exagerado 3.0” terá parte dos direitos obtidos com a venda digital da nova versão da música doada à Sociedade Viva Cazuza, que completa 25 anos em 2015 e foi criada por Lucinha Araújo, mãe do falecido cantor e compositor, para dar assistência a crianças e adolescentes portadores do vírus HIV, assistência social a pacientes adultos em tratamento na rede pública na cidade do Rio de Janeiro e difundir informações científicas sobre a doença para profissionais de saúde e leigos.

Surpresa e novidade
“O que a gente fez com essa versão foi trazer para 2015”, afirma Liminha. “A gente quis fazer uma estrutura meio enxuta, uma banda de rock mesmo, que possa até reproduzir isso ao vivo com muita fidelidade. Quem ouvir essa música no rádio vai sentir que é uma coisa nova”, garante ele, que promete surpresas.

Programador musical, Kassin lembra: “viajei nesse negócio da música ter esses destinos na maternidade, esse negócio de exagero, fiquei imaginando a coisa do musical, que entra um coro, sinos, harpa. Está tudo lá”.

Baterista da banda Paralamas do Sucesso, que várias vezes dividiu o palco com Cazuza e o Barão Vermelho, João Barone afirma que “Exagerado" é uma das músicas que mais sintetiza o Cazuza. "Quando a gente começou, o Barão já tinha saído com um disco, já estava em outro patamar. A gente vinha em direções muito diferentes, mas a gente conhecia muito bem as virtudes do Barão, do Cazuza, e teve um convívio muito intenso e muito curto. Eu achei muito legal a ideia de pegar esses caras todos e fazer essa homenagem. Esse relançamento é uma grande homenagem”.

Túnel do tempo
Guitarrista do Legião Urbana, Dado Villa Lobos relembra a primeira vez que viu Cazuza e o Barão se apresentando, no Autódromo, em Brasília, no começo dos anos 80. “Foi ali, naquele momento, que eu me dei conta do que estava acontecendo no país, no Rio de Janeiro, na música nacional. Por isso, regravar essa música, com novos arranjos, mas mantendo a voz do Cazuza, é algo instigante.”

História do rock
Em 1985, com o objetivo de ter maior liberdade para compor e se expressar, Cazuza deixou o Barão Vermelho e se lançou em carreira solo. Em novembro daquele ano, chegaria às lojas o álbum homônimo Exagerado. Seu primeiro single, a canção que deu título ao disco, composta por Cazuza, Leoni e Ezequiel Neves, tornou-se, não só um dos maiores sucessos da carreira do cantor, mas também sua marca registrada, sinônimo de um artista que se definia um “exagerado”, tanto em sua vida, quanto em sua arte. 

 

Fonte: Vivo
Publicidade
Publicidade