PUBLICIDADE

Dicas para praticar o autocuidado e cuidar da saúde mental

Projeto Movimento Papo Cabeça oferece diálogo acessível sobre saúde mental e autocuidado consciente

20 jan 2022 09h00
ver comentários
Publicidade
Foto: Divulgação

Autocuidado é uma expressão que passou a fazer parte do vocabulário dos brasileiros mais expressivamente desde o início da pandemia de COVID-19. E falar sobre o tema é discutir a complexidade e a importância de nossa saúde mental. 

Em tempos de pandemia, esses cuidados diários ficaram ainda mais difíceis. No fim das contas, ninguém está bem o tempo todo e é impossível passar por uma crise sanitária e humanitária sem sentir os efeitos na saúde mental. Em um estudo reunindo dados de mais de 80 mil jovens, publicado no periódico científico JAMA Pediatrics, sintomas depressivos eram comuns a cerca de 12% de jovens com 18 anos, número que subiu para 25% após o início da pandemia. Os sinais de ansiedade foram de 11% para 20%. 

O importante é lembrar que todo mundo passa por situações adversas e esses momentos delicados demandam ainda mais que olhemos com carinho para nós mesmos e sejamos generosos com nossos sentimentos. Se você não está bem, saiba que você não está sozinho e que é possível encontrar ajuda em meio a momentos difíceis. 

Algumas dicas que podem inspirar o autocuidado consciente

Algumas práticas cotidianas podem fazer uma grande diferença na nossa qualidade de vida. A primeira dica é manter uma rotina: o cérebro gosta de previsibilidade no que é essencial, e manter a alimentação regrada, respeitar o horário de dormir, acordar e trabalhar, programar momentos de lazer e descanso ajudam muito a diminuir o estresse diário. Se for possível, tente dividir as tarefas entre todas as pessoas da casa para compartilhar as responsabilidades.

Outra dica essencial é manter um equilíbrio entre saúde mental e física. Não deixe de cuidar da sua saúde, de fazer exames anualmente e faça acompanhamento médico para ter certeza de que tudo está certo. Atividade física também é essencial para a saúde da mente e do corpo, assim como uma dieta balanceada e nutritiva. Parece difícil, mas começar aos poucos, com uma prática por vez, vai ajudando a ganhar confiança e continuar implementando boas práticas na rotina.

Por fim, tente manter um espaço do dia para você, se divertindo da maneira que mais gostar e sem pensar em nenhum tipo de obrigação ou produtividade. Vale escolher coisas simples e leves como assistir algo com temática diferente dos assuntos de trabalho, passar um tempo ao ar livre, desenhar e ler, passar o tempo com pessoas queridas, por exemplo.  

Como nem sempre conseguimos resolver essas questões sistêmicas, também ajuda lembrarmos que o autocuidado passa pela nossa concepção de comunidade. O ser humano precisa de contato e troca para sobreviver com saúde, e é nesse elo entre nós e quem amamos que podemos exercer uma mudança nos paradigmas da saúde mental.

 

Movimento Papo Cabeça
Movimento Papo Cabeça
Foto: Divulgação

Vamos falar sobre isso?

O autocuidado é um dos pilares levantados na campanha encabeçada pela Fundación MAPFRE com apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para as Américas. Juntas, as entidades organizaram o Movimento Papo Cabeça, projeto que consiste em uma rede de empatia. O objetivo é unir diversas vozes, entre especialistas e influenciadores, com o intuito de conversar sobre saúde mental, tirando o assunto da esfera do tabu e mostrando que cuidar da saúde mental é tão importante quanto tomar banho, se alimentar e socializar.

Está tudo bem não estar bem

Todos nós podemos passar por questões relacionadas à saúde mental, e não existe idade, grupo social, rede de apoio ou profissão que consiga garantir que nossa capacidade de lidar com as adversidades permanecerá sempre a mesma.

A pandemia de COVID-19 colocou todos nós em uma situação inédita: com nosso mundo restrito às nossas casas e com restrições de mobilidade, como não se desestabilizar emocionalmente sem a possibilidade de interagir com o mundo exterior, manter uma vida social saudável e manter nossa rotina? O ser humano é um ser social e essa clausura forçada e súbita afetará a nossa forma de socialização e de permanecermos saudáveis diante de um mundo que se mostra frágil diante de novos vírus, tragédias sociais e climáticas, além de mudanças econômicas. 

De acordo com uma pesquisa feito pelo psicólogo Richard Slater na Universidade da Geórgia, nos EUA, a grande perda do contato social que tivemos demandará uma readaptação social radical para aprendermos a investir nosso tempo e energia nas relações que deixamos de alimentar com o trauma da quarentena. Nossa saúde mental sofre com essas mudanças drásticas e é esperado de nós que retomemos as atividades como se nada tivesse acontecido - as mortes, os fins de ciclo e os projetos deixados para trás.

Foto: Pexels

Não existe saúde mental que permaneça inalterada passando por tudo isso. Nessas horas, é bom lembrar que cada um está passando por muitas dificuldades em suas vidas pessoais, e que saúde mental também é saber quando estamos mal e entender que não precisamos ser sempre perfeitos e saudáveis.

Mitos e verdades sobre saúde mental

Cuidar da saúde mental não é sinônimo de fraqueza: VERDADE - Precisamos desmistificar o tabu de que lidar com questões que envolvam a nossa saúde mental denotem fragilidade. Hoje, poder prestar atenção na nossa condição mental é sinônimo de autoconhecimento e percepção. Não existe saúde sem saúde mental.

Pessoas que enfrentam problemas de saúde mental são perigosas: MITO - Embora pessoas que estejam passando por momentos críticos possam apresentar instabilidade emocional, a questão do perigo é um estereótipo que não deve ser reproduzido. Quem adoece mentalmente precisa de acolhimento e ajuda profissional.

É melhor ficar calado sobre o sofrimento: MITO - Compartilhar o que sentimos é muito importante, embora nem sempre seja fácil. Somos seres sociáveis e precisamos de apoio e empatia para sobreviver e sermos felizes.

Pessoas com problemas de saúde mental não se recuperam: MITO - As pessoas com problemas de saúde mental não se reduzem a um diagnóstico, podem restabelecer a sua saúde e viver uma vida plena e significativa, principalmente se receberem ajuda e suporte apropriado

Se você não está se sentindo bem e com dificuldades de dar conta de tarefas cotidianas, saiba que você não precisa passar por isso sozinho. Muitas pessoas podem estender a mão para você e existem redes de apoio até nos lugares que menos esperamos. Sempre há esperança: aos poucos, até mesmo os momentos mais difíceis podem ser ressignificados.

Fonte: FF Este conteúdo é de propriedade intelectual do Terra e fica proibido o uso sem prévia autorização. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade