PUBLICIDADE

Startup Subspace processa Amazon.com após fracasso em acordo de tráfego da web

20 nov 2023 - 15h40
Compartilhar
Exibir comentários

Uma startup de tecnologia extinta que ajudou a Epic Games, desenvolvedora de "Fortnite", e outros clientes a fornecer conexões rápidas à internet processou a AWS, unidade de computação em nuvem da Amazon.com, acusando-a de encerrar ilegalmente um acordo de tráfego da web e tirá-la do mercado.

A Subspace omega LLC, com sede em Wyoming, entrou com uma ação contra a Amazon Web Services no sábado no tribunal federal de Seattle, alegando violações da lei antitruste dos Estados Unidos e outras leis estaduais e federais. A Subspace disse que estava pedindo 417 milhões de dólares em danos.

A Subspace fechou em 2022 após cinco anos de operação, na sequência  de uma decisão da AWS de encerrar seu acordo de "peering" com a empresa, de acordo com o processo. Tais acordos permitem que as redes se conectem, muitas vezes sem custos entre si, para facilitar um melhor serviço de web aos usuários finais.

A Subspace alegou que a decisão da Amazon de encerrar seu acordo significava que a empresa não poderia mais cumprir seu contrato com a Epic Games, que a Subspace disse ser seu maior cliente.

O processo afirma que a Amazon assumiu os serviços de "otimização de rede" da Subspace para a Epic Games, cujo game Fortnite está entre os jogos online mais populares.

Um representante da Amazon não respondeu imediatamente a um pedido de comentário nesta segunda-feira.

Os advogados da Subspace não responderam imediatamente a um pedido de comentário. A Epic Games, que não é ré, não quis comentar.

A AWS, uma importante fonte de lucro para a gigante do comércio eletrônico, é o maior provedor mundial de computação em nuvem. A unidade entregou receita de 23,1 bilhões de dólares no terceiro trimestre.

Em seu processo, a Subspace alegou que "a AWS não tinha justificativa comercial legítima para se recusar a 'peering' com a Subspace". O acordo "criou uma melhor experiência de rede para seus clientes de rede mútuos e, portanto, foi mutuamente benéfico para ambas as empresas", afirmou.

A Subspace disse que tinha acordos de "peering" com provedores de rede, incluindo Google e Microsoft, ambos oferecendo serviços concorrentes. A Subspace disse no processo que seus serviços "foram usados principalmente para acelerar aplicativos online em tempo real para centenas de milhões de usuários finais em todo o mundo".

A empresa disse que seu modelo de negócios se tornou "inviável" após a recusa da Amazon em continuar seu acordo de "peering".

O processo acusa a Amazon de "táticas maliciosas e anticompetitivas calculadas para tirar a Subspace do mercado".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade