PUBLICIDADE

Como era o navio tóxico São Paulo, afundado pela Marinha brasileira

Antigo porta-aviões era cheio de amianto, tintas contendo microplásticos e outros resíduos prejudiciais ao ambiente

4 fev 2023 - 11h12
(atualizado em 6/2/2023 às 15h53)
Compartilhar
Exibir comentários
São Paulo foi comprado por estaleiro turco para sucateamento, mas teve que ser devolvido
São Paulo foi comprado por estaleiro turco para sucateamento, mas teve que ser devolvido
Foto: DW / Deutsche Welle

Tachado "pacote tóxico de 30 mil toneladas", navio desativado pela Marinha desde 2018 teve submersão controlada a 350 km da costa brasileira, após meses de impasse. ONGs preveem "danos incalculáveis" para meio ambiente.

Apesar dos protestos de diversas organizações ambientais, a Marinha do Brasil anunciou ter afundado no Oceano Atlântico, no fim da tarde de sexta-feira (3), o antigo porta-aviões São Paulo, cheio de amianto, tintas contendo microplásticos e outros resíduos tóxicos.

O "afundamento planejado e controlado", iniciado com três furos no casco, transcorreu a cerca de 350 quilómetros da costa brasileira, a "aproximadamente 5 mil metros de profundidade", informou a Marinha em comunicado.

Na quarta-feira, a instituição admitiu não ter alternativa senão remover o casco de 266 metros de comprimento, descrito pela associação Robin Hood como um "pacote tóxico de 30 mil toneladas": "Tendo em conta os riscos envolvidos no reboque e a deterioração [...] a única solução é abandonar o casco, afundando-o de forma controlada", explicou a Marinha em declaração conjunta com o Ministério da Defesa.

O Ministério Público, que tentou sustar a operação através de uma série de processos judiciais, alertou para as consequências, salientando que o porta-aviões "contém 9,6 toneladas de amianto, uma substância com potencial tóxico e cancerígeno, bem como 644 toneladas de tintas e outros materiais perigosos". Existe um "risco de danos ambientais graves [...] em particular porque o casco está danificado", argumentou o órgão.

"Danos incalculáveis" para o meio ambiente

As organizações ambientalistas não-governamentais Greenpeace, Sea Shepherd e Rede de Ação de Basileia partilhavam a opinião, denunciando "uma violação de três tratados internacionais" sobre o meio ambiente. A submersão vai causar "danos incalculáveis", com "impactos na vida marinha e nas comunidades costeiras", afirmaram as ONGs em declaração conjunta.

De acordo com o portal de notícias G1, contudo, o juiz do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, na capital pernambucana, Recife, argumentou que evitar a operação seria "provavelmente inútil", dada a "iminência de um afundamento espontâneo do casco, que nada faria pelo ambiente e seria suscetível de pôr em perigo a vida da tripulação envolvida na operação de reboque".

O magistrado autorizou o afundamento, embora considerando a solução "trágica e lamentável". Enquanto se aguardava uma decisão judicial, o São Paulo ficou meses meses à deriva diante do litoral de Pernambuco.

Décadas a serviço da Marinha francesa e brasileira

Construído em fins dos anos 1950 no estaleiro naval Saint-Nazaire, no oeste de França, o porta-aviões, o porta-aviões originalmente batizado Foch serviu a Marinha francesa durante 37 anos, antes de ser comprado em 2000 pelo Brasil, por 12 milhões de dólares.

No entanto, devido à idade e a uma série de problemas, incluindo um incêndio em 2005, em 2018 o São Paulo foi desativado como embarcação de combate. Brasília decidiu desfazer-se dele, já que uma reforma sairia demasiado caro.

O estaleiro turco Sök Denizcilik comprou a embarcação em abril de 2021, para sucateá-la, mas não conseguiu encontrar um porto para recebê-la. Assim, o Brasil recebeu o navio de volta, porém não permitiu que atracasse, devido aos danos no casco.

Cerca de duas semanas atrás, a Marinha anunciou ter rebocado o velho porta-aviões para o Atlântico. Dado o estado de degradação e "o elevado risco", que representava para o meio ambiente, reforçou que não autorizaria o regresso a um porto ou a águas costeiras brasileiras.

av (Lusa,AFP,KNA,DPA,ots)

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade