PUBLICIDADE

Luas de Marte podem ser cometa capturado pela gravidade

Novo estudo sugere que as luas de Marte não sejam asteroides, mas sim um cometa capturado e rompido em pedaços pela gravidade do Planeta Vermelho

2 abr 2024 - 13h54
(atualizado às 18h54)
Compartilhar
Exibir comentários

Talvez as luas de Marte não sejam asteroides, mas sim um cometa azarado, que foi capturado e acabou rompido pela gravidade do Planeta Vermelho. É o que sugeriram os resultados de um novo estudo liderado por Sonia Fornasier, do Observatório de Paris. 

Foto: NASA/JPL-CALTECH/GSFC/UNIV. OF ARIZONA / Canaltech

Marte é orbitado pelas luas Fobos e Deimos, que medem 27 km e 15 km, respectivamente. A origem delas ainda é incerta, mas suas características levaram os astrônomos a suspeitarem que nasceram depois de uma colisão na superfície de Marte em um processo parecido com a formação da nossa Lua.

Outra possibilidade é que sejam asteroides capturados pela gravidade marciana. Já Fornasier e seus colegas analisaram dados de Fobos obtidos pela sonda Mars Express, que orbita Marte há mais de 20 anos, e consideram que a origem das luas seja outra.

A análise de Fobos mostrou que esta lua tem propriedades visuais parecidas com a de um cometa. Sua superfície reflete quantidade e tipo de luz que a torna mais parecida com algum cometa como o 67P/Churyumov-Gerasimenko, que foi visitado pela missão Rosetta e pode ter cheiro de amêndoas, do que com um asteroide.

Os autores sugerem que Fobos e Deimos, as luas de Marte, sejam um cometa capturado pela gravidade do planeta (Imagem: Reprodução/NASA)
Os autores sugerem que Fobos e Deimos, as luas de Marte, sejam um cometa capturado pela gravidade do planeta (Imagem: Reprodução/NASA)
Foto: Canaltech

Portanto, os autores suspeitam que Fobos e Deimos tenham sido um cometa binário, ou um que se rompeu em dois. "Dinamicamente, é muito difícil capturar um asteroide e ter dois satélites no plano equatorial de Marte", observou Fornasier. "O que estamos sugerindo é que talvez se trate de um cometa binário que foi capturado por Marte", finalizou.

Claro, mais estudos são necessários para determinar a origem das luas de Marte, mas os autores acreditam que uma missão futura pode ajudar a reforçar a ideia de que as luas marcianas sejam um cometa — ou não. Em 2026, o Japão planeja lançar a missão Martian Moons Exploration, que vai viajar até Fobos para tentar coletar amostras e trazer o material à Terra. Em 2020, o país fez os primeiros testes do rover que deve ser enviado na missão. 

Para a autora, a ocorrência de carbono, oxigênio e outros voláteis no material coletado seriam um forte apoio à ideia de que os satélites naturais de Marte são, de fato, um cometa. "Seria a primeira amostra de um núcleo cometário", disse Fornasier.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado no repositório arXiv, sem revisão de pares.

Fonte: arxiv; Via: NewScientist

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade