PUBLICIDADE

James Webb observa estrelas nascendo em galáxia a 15 milhões de anos-luz

O telescópio James Webb observou a galáxia M83. A imagem revela filamentos de gás e estrelas na sua estrutura, além de berçários estelares nos braços galácticos

1 nov 2023 - 12h43
(atualizado às 15h28)
Compartilhar
Exibir comentários

O telescópio James Webb capturou uma nova foto da galáxia M83. Ela fica a cerca de 15 milhões de anos-luz de nós, e é um objeto de grande interesse para astrônomos que estudam processos de formação estelar.

Foto: ESA/Webb, NASA & CSA, A. Adam/FEAST JWST team / Canaltech

Por isso, os cientistas usaram o instrumento MIRI para observá-la. O dispositivo é capaz de observar o universo em comprimentos de onda do infravermelho entre cinco mil e 28 mil nanômetros — para comparação, a luz visível tem comprimentos de onda de 380 a 750 nanômetros.

A luz visível não consegue atravessar a poeira das nebulosas ou das nuvens protoplanetárias, mas a luz infravermelha e seus comprimentos de onda mais longos, sim. Por isso, instrumentos capazes de detectá-los, como é aqueles no Webb, conseguem observar o interior das regiões de formação estelar e centros galácticos.

Galáxia NGC 5236 observada pelo telescópio James Webb (Imagem: Reprodução/ ESA/Webb, NASA & CSA, A. Adamo (Stockholm University) and the FEAST JWST team)
Galáxia NGC 5236 observada pelo telescópio James Webb (Imagem: Reprodução/ ESA/Webb, NASA & CSA, A. Adamo (Stockholm University) and the FEAST JWST team)
Foto: Canaltech

Há regiões azuladas e brilhantes na parte central da imagem, que são áreas repletas de estrelas densas no centro galáctico. Já os filamentos amarelados mostram berçários estelares, onde há estrelas em formação.

Por fim, as áreas em vermelho e laranja indicam lugares ricos nos chamados hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que são moléculas de carbono com comprimentos de onda ideais para observações com o MIRI.

No vídeo abaixo, você encontra comparações das imagens feitas pelos instrumentos MIRI e NIRCam:

As observações foram obtidas durante o programa FEAST, sigla em inglês de Feedback em aglomerados estelares extragalácticos emergentes. A iniciativa tem o objetivo de investigar como a formação das estrelas está relacionada ao feedback estelar (matéria e energia expelida pelas estrelas durante a formação delas) nas galáxias.

A galáxia M83

Também chamada de Galáxia do Catavento Sul, a M83 é do tipo espiral barrada, ou seja, tem estrelas organizadas em uma barra em seu centro. Ela é considerada uma das galáxias espirais barradas mais próximas de nós, e é visível com telescópios pequenos ou até com binóculos.

Fonte: ESA Webb

Trending no Canaltech:

Canaltech
Compartilhar
Publicidade
Publicidade