PUBLICIDADE

Chatbot LuzIA deixa de funcionar no WhatsApp; entenda motivos

Inteligência artificial ainda funciona em app próprio, para Android, e Telegram

21 mai 2024 - 17h10
Compartilhar
Exibir comentários

Com 197 milhões de usuários no Brasil, segundo estimativa da Meta, o WhatsApp reina absoluto como o aplicativo mais popular no Brasil. Isso fez do chatbot LuzIA uma atração à parte no mensageiro, onde estreou em julho de 2023. Contudo, menos de um ano após seu lançamento, o serviço já não funciona mais no WhatsApp.

De acordo com os criadores da IA, uma empresa espanhola de mesmo nome, o custo para manter o chatbot no mensageiro é alto demais. Para utilizar a API do WhatsApp, a Meta cobra por conversas iniciadas pelos usuários a cada 24 horas, com preços diferenciados por categoria e país. Portanto, quanto mais usuários tem um chatbot, maior o custo.

O usuário que tenta falar com LuzIA atualmente recebe a seguinte mensagem: "No momento, não estou disponível no WhatsApp devido aos custos da plataforma." O texto termina com um convite para o download do aplicativo gratuito, para Android, onde o chatbot continua em funcionamento.

Chatbot faz-tudo

Lançado no ano passado, o serviço chegou a atingir 20 milhões de usuários em seis meses e recebeu um aporte de US$ 10 milhões, feito por diversos investidores, incluindo o jogador de basquete espanhol Pau Gasol, Globo Ventures e fundos do Vale do Silício.

A LuzIA é capaz de realizar diversas tarefas conforme um comando fornecido pelo usuários, como gerar imagens, transcrever áudios (de no máximo 10 minutos) e traduzir e criar textos. Ela atua como uma espécie "central de IAs": ela é compatível com o ChatGPT (de geração de textos), com o WhisperAI (de transcrição de áudio) e com o Stable Difussion (de geração de imagens). Assim, quando o usuário envia um pedido na conversa, a chatbot conecta esse pedido com o serviço mais adequado para realizá-lo e retorna com uma resposta em segundos.

Apesar do funcionamento do chatbot ter sido interrompido no WhatsApp, ele continua funcionando normalmente no Telegram.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade