Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

STF vai analisar decisão que devolveu mandato a deputado bolsonarista

Presidente do Supremo marca sessão extraordinária do plenário virtual para analisar decisão de Nunes Marques

4 jun 2022 - 18h05
(atualizado às 18h51)
Compartilhar

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, marcou para a próxima terça-feira (07/06) uma sessão extraordinária do plenário virtual para analisar a decisão do ministro Kassio Nunes Marques que suspendeu a cassação do deputado estadual bolsonarista Fernando Destito Francischini (União Brasil-PR)

A decisão de Fux atende a um pedido feito neste sábado pela ministra Cármen Lúcia. Ela é relatora de uma ação movida pela defesa de um dos suplentes de Francischini que perderá seu assento na Assembleia Legislativa do Paraná caso a decisão de Nunes Marques seja mantida.   

Publicidade

Na última quinta-feira, Nunes Marques - que foi indicado ao STF pelo presidente Jair Bolsonaro em 2020 - suspendeu a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que cassou o mandato de Francischini e o tornou inelegível por oito anos.

Sessão do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília (DF)
Sessão do Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília (DF)
Foto: Nelson Jr/SCO/STF / Divulgação

Em outubro passado, o TSE considerou Francischini culpado de ter propagado informações falsas sobre as urnas eletrônicas e o sistema de votação nas eleições de 2018.

Em uma transmissão ao vivo no Facebook no dia do primeiro turno, o deputado disse estar ocorrendo fraude no cômputo de votos, de modo a impedir a eleição de Bolsonaro como presidente.

O TSE considerou que a conduta configura uso indevido dos meios de comunicação e abuso de poder político. Foi a primeira vez que um político foi cassado pelo tribunal eleitoral por atacar as urnas eletrônicas e disseminar fake news sobre o processo eleitoral.

Publicidade

Como base para a decisão, Nunes Marques alegou não ser possível provar que a transmissão feita pelo deputado nas redes sociais tenha impactado na normalidade ou na legalidade das eleições.

Naquele ano, Francischini teve a maior votação da história do Paraná para o cargo de deputado estadual, conquistando 427.749 votos, impulsionado pela onda de direita que varreu o país no pleito.

Ele é ex-delegado da Polícia Federal e acumulou controvérsias no período em que foi secretário de Segurança Pública do Paraná, como o comando de uma ação truculenta da Polícia Militar contra professores em greve.

 

Publicidade

 

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações