Buda Sorridente: a explosão que mostrou ao mundo poderio nuclear da Índia há 50 anos

Um dos principais cientistas nucleares da Índia conta como o primeiro dispositivo atômico do país foi desenvolvido secretamente e passou por testes em 1974.

18 mai 2024 - 10h00
(atualizado às 10h04)
Uma cratera se abriu no local em que ocorreu o primeiro teste nuclear subterrâneo da Índia, no desértico Estado do Rajastão
Uma cratera se abriu no local em que ocorreu o primeiro teste nuclear subterrâneo da Índia, no desértico Estado do Rajastão
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

No 138º dia do ano de 1974, às 8 horas, 8 minutos e 20 segundos da manhã, no horário local, a Índia surpreendeu o mundo ao realizar a primeira explosão nuclear do país.

O codinome do projeto era "Buda Sorridente".

Publicidade

"Eles não esperavam que tivéssemos essa capacidade", lembrou o Dr. Satinder Kumar Sikka, em entrevista à BBC em 2018.

"Quando fizemos isso [a explosão nuclear], todos tiveram que abrir os olhos para a nossa Ciência e tecnologia."

Em 1969, Sikka era um jovem cientista que travalhava no principal instituto de pesquisas nucleares da Índia — o Centro de Investigação Atômica Bhabha, perto de Mumbai.

Ele estava prestes a concluir um doutorado sob a supervisão de um dos principais cientistas nucleares do país — o Dr. Rajagopala Chidambaram.

Publicidade

O que ele não sabia era que seu orientador havia sido recrutado para um projeto secreto por um dos principais diretores do centro — o Dr. Raja Ramanna —, um homem que se tornaria uma figura central no programa de armas nucleares da Índia.

"Eu preparava minha tese de doutorado em meu quarto quando recebi um telefonema do escritório do Dr. Ramanna que pedia para ir vê-lo. O Dr. Chidambaram também estava lá", lembra Sikka.

"O Dr. Ramanna me disse: 'Sikka, você já fez o suficiente por si mesmo. Então agora precisa fazer algo pelo país'."

"Ele prosseguiu: 'Você vai participar de um projeto para uma explosão nuclear pacífica'."

"Fui a segunda ou terceira pessoa incluída no projeto."

O orientador de Sikka, Rajagopala Chidambaram (foto) estava envolvido num projeto ultrassecreto
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Em outras palavras

Sikka destaca que o objetivo envolvia uma "explosão nuclear pacífica" ou, na sigla em inglês, uma PNE (Pacific Nuclear Explosion), terminologia que descreve uma explosão nuclear para fins não militares.

Publicidade

No entanto, muitas vezes o uso desses termos significava apenas que o dispositivo não havia sido miniaturizado a ponto de se tornar uma arma.

De qualquer forma, todos sabiam que o projeto envolvia, na essência, desenvolver e testar uma bomba atômica.

"O núcleo atômico é uma bomba", explica Sikka.

"Quando os soviéticos e os americanos realizaram testes PNE, eles estavam na realidade avaliando futuras armas. A PNE foi apenas uma desculpa."

A Índia realizava pesquisas nucleares desde a década de 1940.

O país recusou-se a assinar o Tratado de Não Proliferação, que visava impedir novas bombas do tipo. Mas os líderes indianos afirmaram publicamente que só estavam interessados num programa pacífico de energia nuclear.

Para isso, receberam ajuda de outras nações que já tinham desenvolvido essa tecnologia.

Publicidade

Porém, após o teste bem-sucedido das armas nucleares da China em 1964 (dois anos após a Guerra Sino-Indiana), e em meio às tensões crescentes com o Paquistão, a Índia iniciou planos secretos para desenvolver uma bomba própria.

O principal objetivo era estabelecer uma capacidade de dissuasão contra potenciais adversários e salvaguardar os interesses de segurança nacional.

O projeto foi administrado por civis e o sigilo era fundamental.

Dos 10 mil funcionários do Centro de Pesquisa Atômica, menos de 100 participaram do plano — e mesmo os recrutados muitas vezes não sabiam quem mais estava envolvido ou no que cada um trabalhava.

"Não precisávamos contar a ninguém quando tínhamos reuniões de revisão. Além disso, nenhuma anotação era feita, então não havia risco de vazamentos", destaca Sikka.

Publicidade

"Tudo funcionou na base de que o acesso à informação era restrito ao estritamente necessário."

"Então mantivemos tudo bem escondido... Mas minha esposa adivinhou que eu estava participando de um projeto secreto", conta ele.

Um feito científico

O nome da operação se deveu ao fato do teste ter sido marcado para o dia em que se comemora o aniversário de Buda
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Os líderes do projeto decidiram fabricar um dispositivo de plutônio utilizando combustível de um reator nuclear civil, que tinha sido construído com a ajuda do Canadá.

As intenções, claro, não foram compartilhadas com os canadenses.

O dispositivo seria semelhante à bomba lançada sobre Nagasaki durante a Segunda Guerra Mundial.

"Trata-se um dispositivo de implosão", explica Sikka.

"O núcleo atômico é esférico e cercado por explosivos químicos."

Publicidade

"Quando as ondas de choque de explosivos químicos são aplicadas simultaneamente em todos os lados, o núcleo atômico é comprimido e, no ponto de supercriticalidade, é introduzido um nêutron que inicia uma reação em cadeia."

"A reação em cadeia cresce e leva à explosão e à liberação de energia. É assim que funciona o dispositivo."

No entanto, construí-lo não foi nada fácil, especialmente porque as outras potências nucleares não iriam dividir os segredos com a Índia.

"Éramos o único país que fazia algo do tipo sem receber ajuda externa."

"Na época, sabia-se muito pouco, exceto alguns princípios básicos. Então tivemos que desenvolver tudo do zero."

A lista de desafios científicos complexos era enorme, incluindo a próprioa criação do núcleo atômico.

"O plutônio é uma substância muito tóxica. As propriedades físicas dele são muito exóticas. À temperatura e à pressão do ambiente, ele é muito frágil e difícil de manusear para fabricar esferas e outros componentes."

Publicidade

"Além disso, nos foram negados supercomputadores ou mesmo computadores básicos. Então tivemos que nos contentar com dispositivos de computação muito rudimentares."

No entanto, em 1972, os cientistas tinham desenvolvido um dispositivo funcional, que continuou a ser aperfeiçoado durante os dois anos seguintes.

O local de testes escolhido foi Pokhran, no deserto escaldante do norte da Índia, a 150 quilômetros do Paquistão.

A explosão não seria realizada na superfície, então os envolvidos no projeto cavaram um poço especial no subsolo e colocaram o grande dispositivo lá.

"Eles cavaram o poço dois dias antes da explosão e encheram o buraco com detritos, areia e outras coisas", detalha Sikka.

"Não foi possível fazer alterações de última hora, por isso estávamos obviamente nervosos."

"A apenas uma hora antes do teste, evacuamos as pessoas das aldeias vizinhas."

Publicidade

"Elas eram inteligentes, então provavelmente suspeitaram que algo grande estava para acontecer."

E Buda sorriu

A popularidade de Indira Gandhi, a então primeira-ministra da Índia, aumentou enormemente depois que 'Buda sorriu'
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

O teste foi agendado para 18 de maio de 1974.

O Dr. Sikka e os demais colegas se reuniram para observá-lo de uma torre instalada a quatro quilômetros de distância.

"Eles nos deram um caderno com caneta para registrar o que iria acontecer, mas tudo se desenrolou num piscar de olhos, em um milissegundo."

"Quando o dispositivo explodiu, vimos que o solo inchou, subiu como um monte até cerca de 34 metros, que depois baixou. Sentimos algo semelhante a um terremoto."

"Sabíamos imediatamente que nosso esforço foi bem-sucedido e houve muita emoção, aplausos e tudo mais. Eu era muito jovem na época. Pulei do topo da torre para o patamar mais abaixo."

Publicidade

A notícia do sucesso do teste foi imediatamente enviada à capital, Nova Delhi.

"Aquele dia 18 de maio era o aniversário de Buda, então o codinome usado entre o gabinete do primeiro-ministro e nosso coordenador, Dr. Ramanna, era 'Buda sorridente'."

"Quando a explosão foi bem-sucedida, havia uma linha direta para Nova Delhi e os líderes do projeto disseram que 'Buda havia sorrido'."

E, então, os cientistas comemoraram.

"Nos reunimos todos num ônibus militar e fizemos uma grande festa. Era verão e tinha muita manga e cerveja."

Quando a notícia do teste foi divulgada, houve uma indignação internacional contra a Índia, que havia ter quebrado a moratória global sobre os testes nucleares. No entanto, alguns países reconheceram o direito do país de se defender.

Publicidade

A cooperação nuclear internacional com a Índia foi suspensa, o que gerou graves repercussões no programa civil do país.

"Sim, foi um choque. Eles não esperavam que a Ciência e a tecnologia indianas estivessem tão avançadas a ponto de realizar um teste nuclear."

Nas duas décadas seguintes, a Índia diminuiu o tamanho do dispositivo e criou uma bomba viável. O Paquistão apressou-se em construir uma arma do tipo também.

Após um intervalo de 24 anos, a Índia realizou outra série de cinco explosões nucleares subterrâneas entre 11 e 13 de maio de 1998, o que atraiu críticas de muitos países.

Sikka, que morreu em 2023, liderou com sucesso o trabalho para desenvolver um dispositivo termonuclear muito mais poderoso e foi secretário científico do assessor principal sobre Ciência do governo da Índia.

Publicidade

Quando falou à BBC, cerca de quatro décadas e meia depois do teste do "Buda Sorridente", ele não teve quaisquer escrúpulos quanto ao papel que desempenhou para transformar a Índia numa potência nuclear.

"Não, não nos arrependemos. Na verdade, temos orgulho de ter alcançado o que queríamos e de ter feito algo pelo país", disse ele.

Clique aqui para ouvir o programa "Smiling Buddha: India's First Nuclear Test" (em inglês) da BBC Witness History.

BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
TAGS
Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações