PUBLICIDADE

Cobradora de ônibus que estudava na catraca é aprovada no TJSP

Luana Rocha é moradora do Grajaú, periferia da Zona Sul de São Paulo, e vem de uma família humilde

7 dez 2022 - 05h00
(atualizado às 16h43)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Arquivo pessoal

Filha de um motorista de ônibus e de uma dona de casa, irmã de um motoboy, cobradora de ônibus e agora escrevente. Essa é a história de Luana Farias Rocha, 28, moradora do Grajaú, periferia do extremo Sul da capital paulista, aprovada num concurso para o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).  

A jovem estudou a vida toda em escola pública e tem uma família humilde. Como precisava trabalhar para ajudar na casa, a jovem teve de conciliar o seu trabalho com os estudos. Ela havia prestado o concurso para o órgão em outubro de 2021. Sendo uma candidata PCD, por ter visão monocular, ela recebeu a notícia da nomeação no mês passado. 

“Vim de escola pública, sempre fui apaixonada por livros, principalmente por romances. Estudava para o concurso um pouco durante o expediente, na catraca do ônibus mesmo. Mais algumas horas à noite quando chegava. A parte teórica no ônibus e em vídeo à noite. Nem consigo assimilar que meu sonho vai se realizar” afirma Rocha, ao Visão do Corre

Todos os dias, desde 2018, a cobradora fazia a mesma rota pela zona sul de São Paulo: ia do Grajaú ao Jabaquara coletando e conferindo as passagens dos usuários do transporte público. Ela começou a trabalhar no transporte público após a vida financeira de sua família ficar apertada. Foi aí que seu pai a indicou para o cargo na empresa na qual trabalhava. 

“Comecei como cobradora fazendo a linha Terminal Grajaú-Metrô Brás e, hoje, atuo na linha Grajaú-Jabaquara. Trabalho oito horas por dia durante a semana e, aos finais de semana, chego a doze/treze horas de expediente”, conta Luana.

Luana prestou o concurso para o TJ a primeira vez em 2017, mas não foi aprovada. Ela continuou estudando e persistindo no sonho.

“Quando começaram os rumores de que sairia o concurso em 2021, comecei a me preparar para as matérias, estudando mais de seis horas por dia. Estudava os conteúdos de Direito pelo site do Planalto e assistia videoaulas de raciocínio lógico e matemática, pois eram as matérias que eu tinha mais dificuldade”, lembra.

Para comemorar a tão almejada aprovação no concurso, Luana fez uma publicação no Twitter, no dia 22 de novembro, relatando sua conquista: “Minha realidade vai ser outra”. Logo, o post da cobradora teve 157 mil curtidas, 5 mil compartilhamentos e mais de mil comentários, sendo que só tinha pouco mais de 200 seguidores na sua conta. Ela também foi parabenizada em seu post.

Apesar da aprovação, Luana Farias afirma que dará continuidade aos estudos, com a retomada da graduação em direito, e mira "realizar os sonhos da família".

“Estou aguardando a posse para entrar em exercício na função e até lá seguirei trabalhando como cobradora. Estou muito grata e cheia de expectativas. Meu salário será cerca de quatro vezes mais do que o que eu ganho atualmente e o TJ vai poder me proporcionar muita coisa”, conta com felicidade.

"Quero ser uma profissional que faz jus à oportunidade, pretendo retomar minha graduação, que cheguei a começar e fazer cinco semestres numa faculdade privada, mas precisei largar”, planeja. 

Fonte: Visão do Corre
Compartilhar
Publicidade
Publicidade