PUBLICIDADE

Estrabismo: entenda a condição e a importância do diagnóstico ainda na infância

Comportamentos específicos podem denunciar que há́ desalinhamento entre os olhos nos primeiros anos de vida. A boa notícia é que há́ possibilidade de cura até́ os 8 anos de idade

1 mar 2024 - 17h07
Compartilhar
Exibir comentários

Seu filho fecha um dos olhos quando está no sol? Ou gira a cabeça para enxergar melhor? Apresenta visão dupla ou dificuldade para ler? Esses podem ser alguns dos comportamentos que demonstram a possibilidade de estrabismo. Além desses, a criança pode também sentir dor de cabeça, dificuldade para lacrimejar ou dor nos olhos. E, por fim, crianças com estrabismo podem simplesmente não apresentar sintoma nenhum, além do desalinhamento do olhar.

É o que explica a Dra. Claudia Faria, Oftalmologista especialista em estrabismo do Hospital Albert Einstein. "O estrabismo é a perda do paralelismo entre os olhos. Na maioria das vezes, sua causa é desconhecida", revela a médica, ao completar que, quando ele aparece na vida adulta, as causas centrais tendem a ser traumatismo craniano, diabetes e problemas vasculares, como aneurismas, tumores cerebrais entre outros.

A especialista conta que um sintoma clássico do estrabismo que precisa ser observado é a ambliopia, uma baixa visão em um dos olhos, algo nem sempre simples de ser detectado. "Como a criança apresenta comportamento normal mesmo enxergando bem com apenas um dos olhos é muito importante os pais levarem a criança para avaliação oftalmológica", alerta a oftalmologista, reforçando que essa é uma situação contornável até́ os 8 anos de idade.

[caption id="attachment_4362" align="alignnone" width="300"]

Estrabismo entenda a condição e a importância do diagnóstico ainda na infância
Estrabismo entenda a condição e a importância do diagnóstico ainda na infância
Foto: Sou Mais Bem Estar

©Roman Budnyi via Canva.com[/caption]

Possíveis correções para o estrabismo

Como são vários os tipos de estrabismo, Dra. Claudia conta que os tratamentos também são específicos. "Alguns são corrigidos com o uso de óculos, outros com óculos e cirurgia de correção de estrabismo e há aqueles que são corrigidos apenas com a cirurgia. Em alguns casos, pode ser realizado o tratamento do estrabismo com toxina botulínica. A oclusão (ou tampão) é utilizada principalmente para o tratamento da ambliopia, a baixa visão causada pelo estrabismo", explica ela.

Quando não tratado da forma e na idade correta, o estrabismo pode comprometer a visão binocular (3D), gerar problemas psicológicos, sociais e econômicos, graças ao desvio ocular, avisa a Dra. Claudia. Dessa forma, o cuidado ideal pede atenção dos pais e dos oftalmologistas que acompanham a criança. "O tampão é usado principalmente para tratar a ambliopia, que é a baixa acuidade visual causada pelo estrabismo", informa a médica. Ela conta também que nem todos os estrabismos podem ser tratados com cirurgia. "A esotropia acomodativa por exemplo é tratada com o uso de óculos", diz.

No caso da esotropia acomodativa, que é uma forma de esotropia, ou seja, um desvio ocular para dentro ou estrabismo convergente, principalmente quando a pessoa está tentando focar a nitidez de algo, o tratamento é diferente. "Essas pessoas costumam apresentar hipermetropia maior do que 3 graus.

Algumas das peculiaridades da condição têm a ver com aspectos como atraso no desenvolvimento e síndrome de Down. "Até os 4 meses de vida do bebê, observamos desvios intermitentes para fora ou para dentro. Depois dessa idade, se o sintoma persistir, o bebê deve ser avaliado por um oftalmologista", diz ela.

Sou Mais Bem Estar
Compartilhar
Publicidade
Publicidade