PUBLICIDADE

Depressão na infância e adolescência: saiba quais são os sinais

Psicólogo explica como identificar o transtorno mental durante essas fases da vida. Entenda!

26 fev 2024 - 19h27
Compartilhar
Exibir comentários

A depressão pode acontecer em qualquer faixa etária, desde a infância até a fase adulta. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em uma década, o número de casos de depressão em crianças entre 6 e 12 anos saltou de 4,5% para 8%. Além disso, um em cada sete jovens de 10 a 19 anos sofre com alguma condição de saúde mental.

Saiba como identificar a depressão na infância e adolescência |
Saiba como identificar a depressão na infância e adolescência |
Foto: freepik/Freepik / Boa Forma

"A infância e a adolescência são fases críticas para a saúde mental, por envolverem grandes mudanças e transformações e os pais devem sempre estar atentos aos sinais que podem indicar que a saúde mental dos filhos não vai bem", afirma Filipe Colombini, psicólogo, orientador parental e CEO da Equipe AT.

SINAIS DA DEPRESSÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

Muitas vezes, a depressão é uma doença silenciosa e, por isso, pode ser difícil identificá-la. O especialista afirma que, para detectar o problema, é fundamental ficar atento aos padrão de comportamento dos pequenos.

"Ao conhecer bem os padrões e atitudes do filho e saber como é sua personalidade, os adultos conseguem identificar mais facilmente quebras nesse padrão, o que pode dar indícios da depressão", recomenda.

Dessa forma, um sinal de alerta deve se acender quando crianças extrovertidas, por exemplo, passam a preferir momentos de solidão e recolhimento.

Na adolescência, período marcado por várias alterações do humor e crises emocionais, existem uma série de indícios que podem mostrar que algo não vai bem, entre eles:

  • Falta de energia e motivação;
  • Afastamento de atividades sociais;
  • Baixo rendimento escolar;
  • Distúrbios do sono;
  • Problemas alimentares;
  • Abuso de álcool ou drogas.

Quando a fase adulta se aproxima, é comum que os jovens encarem novas situações e pressões sociais, e essa transição pode ser bastante complicada para alguns.

Em caso nos quais as alterações de comportamento sejam muito evidentes, os pais devem adotar uma postura responsável, sem julgar ou estigmatizar o problema, e garantir um ambiente de apoio e compreensão. De acordo com Colombini, a rede de apoio é imprescindível para reconhecer de maneira precoce um quadro de depressão.

"Devemos lembrar que essa rede de suporte não é formada somente por familiares, mas sim por todos aqueles que convivem ativamente com as crianças e jovens", explica Colombini. "Por isso, colegas e professores, por exemplo, podem perceber mudanças comportamentais no ambiente escolar e alertar os pais para um problema que eles talvez não tenham percebido", completa.

Por fim, vale lembrar que a ajuda de um especialista da área de saúde mental é necessária para um diagnóstico mais rápido e preciso. "Quanto  mais cedo ocorrerem as intervenções terapêuticas, assim que forem identificados os sintomas, a tendência é que o tratamento tenha um prognóstico bem melhor", conclui.

Boa Forma
Compartilhar
Publicidade
Publicidade