PUBLICIDADE

5 dicas para quem precisa conviver com a endometriose

A endometriose é uma doença real e que afeta milhões de mulheres no Brasil. Assista ao vídeo com as dicas do especialista

18 mar 2024 - 06h45
Compartilhar
Exibir comentários
5 dicas para quem precisa conviver com a endometriose:

A endometriose afeta 190 milhões de mulheres no mundo todo e um dos principais debates está relacionado à importância do diagnóstico precoce.

A doença é caracterizada pelo crescimento de tecido semelhante ao endométrio (o revestimento interno do útero) fora da cavidade uterina. Esse tecido ectópico pode se implantar em diversos órgãos, como ovários, trompas de Falópio, intestinos e bexiga, causando dor intensa, infertilidade e outros sintomas que impactam negativamente a qualidade de vida das mulheres.

As causas da endometriose ainda não são totalmente esclarecidas, mas fatores genéticos, hormonais e imunológicos podem estar envolvidos. Os sintomas variam em intensidade e podem incluir:

Dor pélvica intensa: Principalmente durante a menstruação, podendo se irradiar para as pernas e costas.

Dismenorreia: Cólicas menstruais fortes e incapacitantes.

Dor durante a relação sexual: Dispareunia.

Dor ao evacuar ou urinar: Especialmente durante a menstruação.

Infertilidade: Dificuldade para engravidar.

Sangramento anormal: Sangramento vaginal fora do período menstrual.

Fadiga crônica: Sensação de cansaço constante.

Diarreia, constipação e náuseas: Sintomas gastrointestinais.

Dor durante a ovulação.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da endometriose pode ser desafiador, pois os sintomas podem ser semelhantes aos de outras condições. O exame físico, a ultrassonografia transvaginal, a ressonância magnética e a laparoscopia são exames que podem auxiliar no diagnóstico.

O tratamento da endometriose é individualizado e depende da severidade dos sintomas, da idade da paciente e do desejo de engravidar. As opções de tratamento incluem:

Analgésicos e anti-inflamatórios: Para aliviar a dor.

Anticoncepcionais hormonais: Pílulas, adesivos, injeções ou DIU para regular os hormônios e reduzir o crescimento do tecido endometrial.

Progestógenos: Medicamentos como acetato de medroxiprogesterona e Dienogest para controlar o crescimento do tecido endometrial.

GnRH agonistas e antagonistas: Medicamentos que suprimem a produção de hormônios femininos e induzem um estado semelhante à menopausa.

Cirurgia: Laparoscopia para remover o tecido endometrial ectópico.

O impacto na vida das mulheres

A endometriose pode ter um impacto significativo na vida das mulheres, afetando seu bem-estar físico, mental e social. As dores intensas podem limitar as atividades diárias, interferir no trabalho, nos estudos e nas relações pessoais. A infertilidade e a dor durante a relação sexual também podem gerar sofrimento e frustração.

Trata-se de uma doença pouco conhecida e muitas vezes subestimada. É importante aumentar a conscientização sobre a doença para que as mulheres possam ser diagnosticadas e tratadas de forma adequada. 

O apoio da família, amigos e profissionais de saúde é fundamental para que as mulheres com endometriose possam lidar com os desafios da doença e ter uma vida plena.

Assista ao vídeo com Patrick Belellis, um dos maiores especialistas em endometriose do Brasil, que dá 5 dicas para você viver em paz com a endometriose.

(*) HOMEWORK inspira transformação no mundo do trabalho, nos negócios, na sociedade. É criação da Compasso, agência de conteúdo e conexão.

Homework Homework
Compartilhar
Publicidade
Publicidade