PUBLICIDADE

Mundo

Trump não descarta novas separações familiares na fronteira e aliados mostram cautela

27 nov 2023 - 09h31
Compartilhar
Exibir comentários

Donald Trump tem prometido intensificar a repressão à imigração caso retorne à Casa Branca e deixado em aberto a possibilidade de retomar sua medida mais controversa - a separação de famílias na fronteira dos Estados Unidos com o México - mas aliados que poderiam se juntar a um novo governo como agentes de imigração estão cautelosos.

Cinco ex-funcionários de Trump e aliados conservadores disseram à Reuters que, mesmo com Trump propondo medidas mais duras contra os imigrantes, eles estão preocupados com a implementação de uma nova versão da política de "tolerância zero" de 2018 que separou milhares de crianças de seus pais na fronteira sudoeste.

Eles disseram que se preocupam com uma repetição da reação pública generalizada provocada pela política original.

"A separação de famílias que resultou da tolerância zero causou um alvoroço no país", disse Tom Homan, ex-funcionário de imigração de Trump que poderia se juntar a um segundo governo. "A melhor maneira de fazer isso, em vez de lidar com todo o caos que vem, é mantê-los juntos em um centro residencial e ter suas audiências conjuntas."

Trump é o candidato favorito à indicação presidencial do Partido Republicano para as eleições de 2024 e tem feito da segurança fronteiriça um dos principais temas de sua campanha. Ele está prometendo restaurar as políticas de seu governo e implementar novas medidas que reprimam ainda mais a imigração legal e ilegal.

Trump elogiou a eficácia das separações de famílias durante uma entrevista para a CNN em maio e se recusou a descartar a possibilidade de restabelecê-las. Ele as defendeu novamente em uma entrevista ao canal de televisão Univision que foi ao ar em 9 de novembro.

"Isso impediu que as pessoas viessem às centenas de milhares porque, quando ouviam 'separação familiar', diziam: 'Bem, é melhor não irmos' E elas não vieram", disse ele.

A posição radical de Trump tem sido aproveitada pela campanha de reeleição do presidente Joe Biden, que diz que esse é um exemplo das políticas "extremas" que o republicano adotaria se voltasse à Casa Branca.

Ativistas de direitos civis estão alarmados com os comentários de Trump e estão prontos para voltar aos tribunais para combater qualquer nova versão da política, disseram à Reuters.

A campanha de Trump não respondeu aos pedidos de comentários.

A forma de lidar com as milhares de famílias que atravessam ilegalmente a fronteira sudoeste tem atormentado sucessivos governos republicanos e democratas. Biden tem enfrentado um número recorde de imigrantes que atravessam a fronteira ilegalmente desde que assumiu o cargo, incluindo um recente aumento no número de famílias.

O governo Trump lançou a sua política de "tolerância zero" em abril de 2018 como forma de desencorajar a travessia ilegal da fronteira, inclusive por parte das famílias. De acordo com a política, os pais eram acusados de crimes de imigração e enviados para prisões enquanto as crianças eram colocadas em abrigos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade