PUBLICIDADE

Mundo

Serviço de segurança da Ucrânia alega conspiração russa envolvendo ex-presidente

2 dez 2023 - 16h32
Compartilhar
Exibir comentários

O serviço de segurança da Ucrânia disse neste sábado que impediu o ex-presidente Petro Poroshenko de deixar o país, alegando que a Rússia planejava explorar uma reunião planejada com o primeiro-ministro da Hungria para prejudicar os interesses ucranianos.

O partido político de Poroshenko, Solidariedade Europeia, disse que o ex-presidente tinha agendado apenas reuniões na Polônia e nos Estados Unidos e alertou o serviço de segurança SBU contra o envolvimento em política.

Poroshenko foi rejeitado em um posto fronteiriço na sexta-feira.

A SBU disse que planejava se encontrar com o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, que mantém laços com o líder do Kremlin, Vladimir Putin, e se opõe à abertura de negociações sobre a adesão à União Europeia com a Ucrânia.

Um comunicado da SBU disse que a Rússia estava preparando uma série de "provocações" para desacreditar a Ucrânia entre seus aliados estrangeiros, à medida que a guerra contra a Rússia se estende por mais de 21 meses.

Não forneceu nenhuma evidência para apoiar as alegações.

Sobre a possível reunião com Orban, a SBU disse: "A Rússia planejou usar esta reunião (como outras 'reuniões de trabalho com... representantes de países que expressam narrativas pró-Rússia) em operações psicológicas contra a Ucrânia."

A SBU disse que Orban "mantém sistematicamente uma posição anti-ucraniana", era um "amigo de Putin" e buscava a remoção das sanções impostas a Moscou pela invasão da Ucrânia.

Orban, que é aberto sobre os seus laços amigáveis com Putin, opõe-se ao início das conversações de adesão à UE com a Ucrânia, a serem consideradas na próxima cimeira do bloco. Ele apelou esta semana à criação em vez de uma "parceria estratégica" com Kiev.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade