0

Prisão injusta de funcionário por 251 dias constrange Huawei na China

A multinacional foi amplamente criticada por ter acusado um de seus empregados de extorsão sem ter evidências suficientes de que ele havia cometido o crime.

4 dez 2019
14h50
atualizado às 16h12
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Empresa chinesa afirmava que ex-funcionário havia tentado chantageá-la
Empresa chinesa afirmava que ex-funcionário havia tentado chantageá-la
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

A multinacional chinesa Huawei foi amplamente criticada após a revelação de que um ex-funcionário ficou preso indevidamente por oito meses após a companhia acusá-lo de extorsão.

Li Hongyuan, que trabalhou na Huawei por 13 anos, foi detido em janeiro. A Huawei afirmava que ele havia tentado chantageá-la.

Hongyuan foi libertado em agosto, após os promotores concluírem que não havia provas suficientes da acusação. O governo chinês o indenizou em 107.522 yuanes (R$ 63,9 mil).

Antes de deixar a Huawei, em março de 2018, Hongyuan afirma ter negociado as condições de sua saída da empresa.

Dois meses depois, um funcionário da Huawei depositou 304.742 yuanes (R$ 181 mil) na conta bancária pessoal de Hongyuan. Ele disse à imprensa chinesa que tinha recebido este valor por um bônus de final de ano que lhe havia sido prometido.

A Huawei o denunciou à polícia, alegando que a transferência de dinheiro havia sido feita em resposta a uma suposta tentativa de extorquir a empresa.

Hongyuan foi detido em dezembro de 2018 e foi mandado para a prisão em janeiro. Ele foi libertado 251 dias depois. Seus advogados afirmaram à emissora CNN que seu cliente nunca foi processado e recebeu uma indenização do governo.

Empresa diz que tinha dever de fazer a denúncia

Huawei disse respeitar a decisão, mas reafirmou sua obrigação de ter feito a denúncia
Huawei disse respeitar a decisão, mas reafirmou sua obrigação de ter feito a denúncia
Foto: AFP / BBC News Brasil

Em comunicado à BBC News, a Huawei disse respeitar a decisão, mas reafirmou que tinha o dever de "reportar" suas conclusões às autoridades.

"Nós respeitamos a independência e a autoridade do processo de justiça criminal para examinar e fazer um julgamento legal e correto", disse a companhia das telecomunicações.

"Se alguém acredita que sofreu danos ou teve seus direitos legais violados, a Huawei defende totalmente seu direito de buscar os tribunais."

O caso gerou indignação na China. Hongyuan recebeu apoio de muitos usuários da rede social Weibo.

Em uma carta aberta endereçada ao fundador da Huawei, Ren Zhengfei, o ex-funcionário se desculpou por causar um escândalo. "Não era minha intenção causar tanto alarde na internet, e lamento por isso", disse ele.

"Mas não me arrependo da minha escolha de falar a verdade. Sempre há um custo envolvido em ser honesto."

Veja também: 

 

Veja também:

Por que milhões de pessoas estão assistindo a vídeos de limpeza de piscinas no TikTok
BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade