PUBLICIDADE

Mundo

Portugal comemora aniversário da democracia em meio ao avanço da extrema-direita

24 abr 2024 - 11h46
(atualizado às 12h13)
Compartilhar
Exibir comentários

O capitão reformado Joaquim Correia Bernardo, de 84 anos, lembra-se da revolução que derrubou a ditadura fascista em Portugal há cinco décadas como se fosse ontem.

Ele tinha trinta e poucos anos quando ajudou a organizar o golpe militar de 25 de abril de 1974, que devolveu a democracia a Portugal após 48 anos de regime autoritário.

Na cidade de Santarém, ao lado da estátua de Salgueiro Maia, um capitão do Exército que desempenhou um papel crucial na revolução, Correia Bernardo disse que seus valores, como a participação democrática e o respeito ao próximo, devem ser mantidos.

"A liberdade não pode ser perdida", afirmou.

Suas palavras têm uma ressonância especial agora, no momento em que a extrema-direita está em marcha novamente em Portugal.

Foi de uma base militar em Santarém que uma coluna de veículos partiu em direção à capital Lisboa em 1974. Correia Bernardo ficou para trás, pois era seu dever colocar em ação um "Plano B", caso o golpe não saísse como planejado.

O golpe, quase sem derramamento de sangue, foi bem-sucedido e ficou conhecido como a "Revolução dos Cravos" porque os soldados colocaram flores nos canos de suas armas.

O movimento também levou ao colapso do domínio colonial português no exterior, principalmente na África, onde as guerras contra os movimentos de libertação nacional haviam exaurido as Forças Armadas e drenado os cofres do Estado.

Mas agora, enquanto os portugueses se preparam para comemorar o 50º aniversário do fim da ditadura, com a expectativa de que milhares de pessoas se reúnam nas ruas, a extrema-direita está se recuperando após uma eleição geral no mês passado.

Fundado em 2019, o partido populista e anti-imigração Chega, liderado por um ex-comentarista esportivo conhecido por seus comentários depreciativos contra minorias étnicas, é agora o terceiro maior partido político de Portugal.

Correia Bernardo e acadêmicos dizem que o crescimento do Chega se deve à percepção de que os políticos tradicionais não conseguiram atender às necessidades dos cidadãos. Alguns dos ideais do regime deposto persistiram e o líder do Chega, André Ventura, adotou uma narrativa que lhe permitiu angariar apoio, dizem eles.

O Chega quadruplicou sua representação parlamentar para 50 parlamentares em 230 assentos na eleição do mês passado. A Aliança Democrática, de centro-direita, venceu por uma margem pequena e está governando sem uma maioria absoluta, com Ventura alertando para a instabilidade se o governo não negociar políticas com seu partido.

"GRITO DE REVOLTA"

Correia Bernardo disse que os fracassos de governos consecutivos em lidar com o descontentamento social em relação a questões como a crise habitacional e os baixos salários alimentaram a ascensão de Chega. O voto no Chega seria provavelmente um "grito de revolta", disse ele.

Um estudo publicado na sexta-feira pelo Instituto de Ciências Sociais de Lisboa (ICS) e pelo centro de pesquisas ISCTE mostrou que 34% dos entrevistados acreditam que a situação da moradia é pior agora do que antes da revolução e 42% acham que o mercado de trabalho se deteriorou.

Cerca de 66% dos entrevistados também disseram que a corrupção está mais disseminada atualmente, um problema que o Chega prometeu eliminar.

Mais da metade não quer outro regime autoritário, mas 23% disseram que se os líderes políticos atuais seguissem os "ideais" do ex-ditador António de Oliveira Salazar, que governou por quase 40 anos, Portugal poderia "recuperar sua grandeza".

"Uma narrativa que foi criada durante o regime resistiu ao 25 de abril (revolução) e persiste 50 anos depois", disse Filipa Madeira, do ICS, uma das autoras do estudo.

O cientista político Vicente Valentim, da Universidade de Oxford, que escreveu um livro sobre a extrema-direita, disse que alguns votaram no Chega porque se sentiram "deixados para trás", mas que muitos já compartilhavam a ideologia do partido, como opiniões racistas e xenófobas.

Durante muito tempo, não havia nenhum político considerado elegível para liderar a extrema-direita, mas Ventura mudou isso, disse Valentim.

"Portugal era o país que parecia imune à direita radical e, de repente, tudo isso mudou", disse Valentim. "É importante entender o que aconteceu porque não se pode combater um fenômeno sem entender suas causas."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade