PUBLICIDADE

Mundo

Países do Sul da África temem perder mais elefantes devido à seca

30 mai 2024 - 18h42
Compartilhar
Exibir comentários

Os países do sul da África, que abrigam a maior população de elefantes do mundo, temem um aumento nas mortes de animais nos próximos meses, à medida que as fontes de alimentos e água diminuem após uma seca severa.

A região sofreu um período prolongado de calor e seca durante a estação chuvosa de 2023/24, atribuído ao El Niño, um fenômeno climático marcado pelo aquecimento das águas no Pacífico oriental, levando a um clima mais quente em todo o mundo.

A seca afetou o abastecimento de água e alimentos para humanos, gado e vida selvagem.

O Zimbabué perdeu 160 elefantes no seu principal Parque Nacional de Hwange no ano até janeiro, de acordo com a autoridade de vida selvagem do país.

Em Botswana, 300 elefantes morreram devido à seca no ano passado, de acordo com o ministério do ambiente do país.

Outras nações, como a Zâmbia, também confirmaram mortes de elefantes nos seus parques nacionais, e o ministro do Ambiente, Rodney Sikumba, descreveu a seca como "devastadora".

Os cinco países que compõem a área de conservação Kavango-Zambeze (KAZA) - Zimbabué, Zâmbia, Botswana, Angola e Namíbia, lar de um total de 227 mil elefantes - estão reunidos em Livingstone, na Zâmbia, para discutir a gestão sustentável da vida selvagem.

"A seca teve um efeito adverso e você notaria que a maioria dos bebedouros nos parques ao redor do KAZA estão secando", disse Sikumba à Reuters nos bastidores da conferência.

"Na ausência de água e comida, você verá carcaças espalhadas pelos parques."

A Autoridade de Parques e Vida Selvagem do Zimbabue (Zimparks) disse ter recebido 3 milhões de dólares do fundo de catástrofes do país para aumentar o abastecimento de água nos parques nacionais, mas o seu diretor-geral, Fulton Mangwanya, disse que isto não foi suficiente para salvar a vida selvagem.

"Temos mais de 150 poços alimentados por energia solar. No entanto, isso não impedirá que os elefantes morram quando a seca atingir fortemente. Estamos prontos para a seca, mas algumas situações não podem ser evitadas", disse Mangwanya.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade