PUBLICIDADE

Opas: Coronavírus se espalha como nunca antes nas Américas

"O vírus se espalha mais ativamente como nunca antes", afirmou a diretora da Opas, Carissa Etienne

19 jan 2022 15h54
| atualizado às 16h20
ver comentários
Publicidade

As infecções pela covid-19 atingem novos picos no continente americano, com 7,2 milhões de novos casos e mais de 15 mil mortes relacionadas à doença na semana passada, afirmou a Organização Panamericana de Saúde (Opas) na quarta-feira. 

"O vírus se espalha mais ativamente como nunca antes", afirmou a diretora da Opas, Carissa Etienne, em um briefing. 

O caribe teve o aumento mais brusco de infecções desde o início dos dois anos de pandemia, afirmou a agência regional. Na América do Norte, os Estados Unidos e o Canadá passam por um surto de hospitalizações pela covid-19. 

Pessoas caminham na rua 25 de Março no centro de São Paulo antes do Natal e em meio à pandemia do coronavírus
21/12/2020
REUTERS/Amanda Perobelli
Pessoas caminham na rua 25 de Março no centro de São Paulo antes do Natal e em meio à pandemia do coronavírus 21/12/2020 REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

Por conta de uma escassez de testes, a Opas recomendou que os países do continente priorizem os testes rápidos de antígenos para pessoas com sintomas de covid-19 e que estejam correndo risco de espalhar o vírus. 

Embora mais de 60% da população latino-americana e caribenha esteja completamente vacinada contra a covid-19, a variante Ômicron se espalha rapidamente por todas as regiões, afirmou o gerente de Incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri. 

O avanço da variante nas próximas semanas e meses irá depender das medidas de saúde pública para contê-la, inclusive o uso de máscaras e do distanciamento social, além de, principalmente, a vacinação para reduzir a gravidade de casos e hospitalizações de covid-19, disse Aldighieri. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade