PUBLICIDADE

Nigéria informa que matou líder terrorista de grupo aliado ao EI

General não divulgou circunstâncias da morte de al-Barnawi

14 out 2021 11h40
| atualizado às 11h55
ver comentários
Publicidade

O chefe do Estado Maior da Defesa da Nigéria, general Lucky Labor, informou à imprensa nesta quinta-feira (14) que os militares do país mataram o líder do grupo terrorista Estado Islâmico da África Ocidental (Iswap), Abu Musab al-Barnawi.

Abu al-Barawi foi morto por policiais em agosto, segundo mídia nigeriana
Abu al-Barawi foi morto por policiais em agosto, segundo mídia nigeriana
Foto: Ansa / Ansa - Brasil

"Posso confirmar com autoridade que al-Barnawi está morto. Simplesmente. Está morto e ficará assim", disse Labor sem dar detalhes de como e em que condições ocorreu o falecimento.

A mídia nigeriana aponta que fontes militares informaram que o líder terrorista foi morto em uma ação da polícia no fim de agosto.

Al-Barnawi é filho de Mohammed Yusuf, um dos fundadores do Boko Haram, que foi morto pelos militares nigerianos em 2009. Com a morte de Yusuf, o extremista Abubakar Shekau assumiu o controle do grupo terrorista.

Porém, com a ascensão do Estado Islâmico do Iraque e do Levante, hoje conhecido apenas como Estado Islâmico, al-Barnawi prestou juramento de lealdade e foi conduzido ao cargo de líder do então Boko Haram - destronando Shekau.

A briga interna acabou criando uma grande desavença e duas fações se formaram: o Boko Haram continuou sob comando de Shekau e o Iswap surgiu sob a liderança de al-Barnawi. Conforme a mídia nigeriana, o EI deu treinamento ao filho de Yusuf para que ele punisse seu antigo aliado por "violar as normas" constantemente.

Enquanto Shekau coordenou as ações terroristas na área da floresta de Sambisa e na fronteira com Camarões, incluindo ataques em massa a vilarejos e o sequestro de milhares de estudantes, al-Barnawi controlava ataques na região do lago de Chade e fazia incursões em bases militares e pequenas vilas.

Ambos, porém, usavam a tática de extorquir pequenos produtores e agricultores para conseguir dinheiro fácil.

Em junho deste ano, um áudio obtido pela agência francesa AFP com membros do Iswap informava que Shekau se matou para evitar ser capturado pelo grupo de al-Barnawi. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade