PUBLICIDADE

Mundo

Israel liberta dois reféns, autoridades de Gaza dizem que bombardeios deixaram 67 mortos

12 fev 2024 - 11h01
Compartilhar
Exibir comentários

Israel libertou dois reféns israelense-argentinos em Rafah nesta segunda-feira, quando ataques aéreos, segundo autoridades de saúde locais, mataram 67 palestinos e feriram dezenas na cidade do sul de Gaza, que é o último refúgio de cerca de um milhão de civis deslocados.

Uma operação conjunta de militares israelenses, do serviço de segurança doméstico Shin Bet e da Unidade Especial de Polícia em Rafah libertou Fernando Simon Marman, 60, e Louis Hare, 70, disseram os militares. Eles estavam entre as 250 pessoas raptadas durante o ataque de 7 de outubro por militantes do Hamas que desencadeou a guerra de Israel em Gaza.

Mais de quatro meses depois, grande parte da faixa de terra densamente povoada no Mediterrâneo está em ruínas, com 28.340 palestinos mortos e 67.984 feridos, segundo autoridades de saúde de Gaza, que afirmam que muitos outros estão soterrados sob os escombros.

Os militares israelenses dizem que 31 reféns morreram desde então, mas o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse que o resgate de segunda-feira mostrou que a pressão militar deve continuar, descartando a apreensão internacional face aos seus planos de um ataque terrestre a Rafah.

"Fernando e Louis, bem-vindos ao lar", disse ele, saudando as forças israelenses que os resgataram. "Só a pressão militar contínua, até à vitória total, levará a libertação de todos os nossos reféns."

O Ministério da Saúde de Gaza disse que 67 pessoas morreram durante a noite e que o número pode aumentar à medida que as operações de resgate estiverem em andamento. Um jornalista da Reuters presente no local viu uma vasta área de escombros onde edifícios, incluindo uma mesquita, tinham sido destruídos.

"Por que você matou minha família enquanto eles dormiam? Eles são crianças. Estou coletando partes dos corpos da minha família desde a manhã. Eles estavam em pedaços, não consegui reconhecê-los, só reconheci os dedos das mãos ou dos pés." disse Ibrahim Hassouna enquanto uma mulher se ajoelhava sobre o corpo de uma criança próxima.

Os reféns estavam detidos no segundo andar de um prédio que foi invadido com uso de explosivos durante a operação, que gerou fortes trocas de tiros com edifícios vizinhos, disse um porta-voz militar israelense.

"Estamos trabalhando há muito tempo nesta operação", disse o tenente-coronel Richard Hecht. "Estávamos esperando pelas condições certas."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade