PUBLICIDADE

Mundo

Filipinas dizem que decisão de fortalecer laços com Japão e EUA é "escolha soberana"

18 abr 2024 - 10h49
Compartilhar
Exibir comentários

A decisão das Filipinas de estreitar os laços com o Japão e os Estados Unidos em uma recente cúpula foi uma "escolha soberana" do país, disse o Ministério das Relações Exteriores na quinta-feira, em resposta aos comentários da China que se opuseram à reunião trilateral.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recebeu o presidente das Filipinas, Ferdinand Marcos Jr., e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, em Washington na semana passada, onde os três líderes expressaram conjuntamente suas "sérias preocupações" com as ações da China no Mar do Sul da China.

O Ministério das Relações Exteriores das Filipinas disse que o agrupamento trilateral promoveria a paz e o crescimento econômico no Indo-Pacífico e não deveria ser considerado uma ameaça. As "reivindicações marítimas excessivas e o comportamento agressivo" da China, por outro lado, estão prejudicando a paz e a estabilidade na região, afirmou.

"A fonte de tensão em nossa região é bem conhecida por todos. A China deve refletir sobre suas próprias ações no Mar do Sul da China", disse o ministério.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China Mao Ning disse na semana passada que o país se opõe à "formação de círculos exclusivos na região" e a quaisquer "atos que estimulem e aumentem as tensões".

Mao também acusou os EUA de se apegarem à "mentalidade da Guerra Fria" de ameaçar rivais ao se unirem a aliados regionais.

"Referências injustificadas à Guerra Fria sensacionalizam a situação e deturpam o propósito pacífico da cooperação trilateral", disse Manila em resposta.

A embaixada chinesa em Manila não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

As relações entre Manila e Pequim azedaram no ano passado por causa de conflitos marítimos em bancos de areia disputados no Mar do Sul da China, além de trocas acaloradas entre suas autoridades.

A China reivindica quase todo o Mar do Sul da China, um canal para mais de 3 trilhões de dólares em comércio anual de navios. Suas reivindicações territoriais se sobrepõem às águas reivindicadas por Filipinas, Vietnã, Indonésia, Malásia e Brunei.

Em 2016, o Tribunal Permanente de Arbitragem em Haia disse que as reivindicações da China não tinham base legal, uma decisão que Pequim rejeitou.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade