PUBLICIDADE

Mundo

FBI abre investigação criminal sobre colapso de ponte em Baltimore

15 abr 2024 - 13h00
(atualizado às 14h09)
Compartilhar
Exibir comentários

O FBI abriu uma investigação criminal federal sobre o colapso de uma ponte em Baltimore no mês passado, quando um navio colidiu com um dos suportes da estrutura, informou a força nesta segunda-feira.

Agentes do FBI embarcaram no navio de carga Dali para cumprir mandados judiciais relacionados com o acidente, disse um porta-voz à Reuters.

Não há outras informações públicas disponíveis e o FBI não fará mais comentários, disse o porta-voz.

Em 26 de março, o enorme navio de carga perdeu energia e colidiu com um pilar de apoio, fazendo com que a ponte Francis Scott Key desabasse no rio Patapsco. Seis pessoas que estavam trabalhando no local no momento do acidente morreram.

A investigação sobre o colapso se concentrará, em parte, no fato de a tripulação do navio cargueiro Dali ter deixado o porto sabendo que a embarcação tinha sérios problemas em seus sistemas, informou o jornal Washington Post nesta segunda-feira.

Os investigadores de segurança recuperaram o gravador da "caixa preta" do navio, que fornece dados sobre sua posição, velocidade, rumo, radar, áudio da ponte e comunicações de rádio, além de alarmes.

O chefe do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA disse separadamente ao Congresso na semana passada que seus investigadores haviam entrevistado funcionários importantes do navio de carga como parte de sua investigação.

O trabalho para remover os destroços e restaurar o tráfego pelo canal de navegação do porto continua.

A substituição da ponte provavelmente levará anos, mas as autoridades abriram dois canais temporários para permitir que algumas embarcações contornem o navio. O Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA disse há duas semanas que esperava abrir um novo canal para o Porto de Baltimore até o final de abril.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade