PUBLICIDADE

Mundo

Em declaração conjunta, G7 manifesta 'apoio inabalável' a Kiev

Giorgia Meloni presidiu cúpula por ocasião de 2 anos de conflito

24 fev 2024 - 16h36
(atualizado às 16h42)
Compartilhar
Exibir comentários

Após a reunião por videoconferência neste sábado (24), os líderes do G7 elaboraram uma declaração final reafirmando o "apoio inabalável à Ucrânia".

Presidida pela premiê italiana Giorgia Meloni, diretamente de Kiev, na data em que o conflito completou dois anos, a cúpula deste sábado (24) resultou em um posicionamento conjunto: "Nos reunimos com o presidente Volodymyr Zelensky para homenagear novamente a coragem e a resiliência do povo ucraniano que combateu incansavelmente pela liberdade e o futuro democrático da Ucrânia".

"Seguimos convencidos de poder garantir que o povo ucraniano prevaleça na lua pelo próprio futuro e contribuir a formar uma paz global, justa e duradoura", prosseguiram.

A declaração continua: "Continuaremos apoiando o direito da Ucrânia à autodefesa e a reforçar o nosso empenho pela segurança a longo prazo da Ucrânia".

Na abertura da reunião, Zelensky afirmou contar com o grupo de países: "Vocês sabem muito bem do que precisamos para proteger nossos céus e reforçar as nossas tropas em terra, assim como todo o suporte de que precisamos para continuar tendo sucesso no mar, e percebem que precisamos rapidamente. Contamos com vocês".

A declaração final do encontro disse ainda: "Não é direito da Rússia decidir se ou quando pagar os danos causados à Ucrânia.

Segundo o Banco Mundial, esses danos superam os US$ 486 bilhões.

Estamos determinados a desfazer qualquer ideia falsa de que o tempo esteja ao lado da Rússia, que a destruição das infraestruturas e dos meios de sustento não tenham consequências, ou que a Rússia possa prevalecer falindo a Ucrânia economicamente".

O texto reafirma que os bens da Rússia sob as jurisdições de países do G7 ficarão congelados até que o país ressarça o governo de Kiev.

O grupo também manifestou apoio à "fórmula de paz" elaborada pelo governo ucraniano.

"Enquanto a Ucrânia entra no terceiro ano desta guerra implacável, o governo e povo ucraniano podem contar com o apoio do G7 enquanto for necessário", concluem. .

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Publicidade