PUBLICIDADE

Mundo

Egito tenta obstruir processo por assassinato de italiano

País não permitiu que testemunhas comparecessem em julgamento

19 jun 2024 - 13h57
(atualizado às 14h15)
Compartilhar
Exibir comentários

O governo do Egito tentou obstruir um julgamento em Roma, à revelia, de quatro oficiais de inteligência egípcios acusados de torturar até a morte o estudante italiano Giulio Regeni, em 2016, informaram fontes judiciais nesta quarta-feira (19).

    Segundo relatos, as quatro principais testemunhas de acusação foram proibidas de responderem a intimação para participar do julgamento na capital italiana.

    O Ministério das Relações Exteriores da Itália transmitiu ao procuradores de Roma uma nota da Procuradoria-Geral do Egito afirmando que "é impossível executar pedidos de assistência judicial" para que as quatro testemunhas egípcias sejam ouvidas na audiência no tribunal do bunker de Rebibbia. O documento diz respeito principalmente ao sindicalista Said Abdallah, que supostamente apontou Regeni como espião; o coordenador de um centro para os direitos econômicos e sociais, Hoda Kamel Hussein; e Rabab Ai-Mahdi, tutor de Regeni no Cairo.

    Diante disso, o procurador-adjunto Sergio Colaiocco solicitou ao juiz de Primeira Instância que pudesse obter os depoimentos das testemunhas ausentes recolhidos durante a investigação.

    "Estamos na presença de testemunhas que não escolheram livremente não estar aqui. Tentamos de tudo para trazer as testemunhas para cá", declarou o promotor.

    Segundo a advogada dos pais de Regeni, Alessandra Ballerini, "apesar de todos os esforços do Ministério Público e dos pedidos formais apresentados pela Farnesina, é inegável o obstrucionismo egípcio que neste momento parece intransponível, mas que também devido ao argumentos que ouvimos do procurador são completamente ilegítimos".

    O general Tariq Sabir e os coronéis Athar Kamel Mohamed Ibrahim, Uhsam Helmi e Magdi Ibrahim Abdelal Sharif são acusados de sequestro qualificado, homicídio qualificado e lesões corporais qualificadas.

    O pesquisador vivia na capital do Egito para preparar uma tese sobre sindicatos independentes para a Universidade de Cambridge, mas desapareceu em janeiro de 2016. Ele havia sido visto pela última vez em uma linha de metrô, e seu corpo só foi encontrado mais de uma semana depois, com evidentes sinais de tortura.

    De acordo com o legista Vittorio Finceschi, que realizou a autópsia no corpo de Regeni, o estudante sofreu várias formas de tortura no Cairo, como socos, chutes, queimaduras, espancamentos nas solas dos pés e algemas dolorosas nos pulsos e tornozelos.

    O italiano frequentava organizações sindicais clandestinas e contrárias ao presidente autocrata Abdel Fattah al-Sisi, o que levantou a hipótese de crime político.

    A acusação diz que os agentes seguiam os passos de Regeni desde o fim de 2015 e o abordaram na noite de 25 de janeiro de 2016, no metrô do Cairo. Em seguida, teriam conduzido o italiano contra sua vontade para uma delegacia e, depois, para um edifício onde ele ficaria nove dias em cativeiro. .

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade