0

Palito de dente é extraído do coração de homem na Argentina

16 out 2015
14h11
atualizado às 17h11
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Shutterstock

Médicos de um hospital na Argentina extraíram do coração de um homem, de 42 anos, um palito de dente que tinha ingerido por acidente e que foi descoberto quando o operavam por causa de uma infecção cardíaca que sofria há cerca de seis meses, informaram nesta sexta-feira à Agência Efe fontes médicas.

O paciente, Horacio Rodriguez Videla, foi levado de um hospital da província de Corrientes (noroeste), de onde é oriundo, para um da capital argentina, porque os especialistas que o tratavam devido a um quadro febril não conseguiam curá-lo com os antibióticos.

"Chegou ao hospital com muita febre e com uma infecção originada no coração", disse à Efe o médico Fernando Cichero, chefe de cirurgia cardiovascular do Hospital Fernández.

Durante a intervenção cirúrgica, foi extraído "para surpresa de todos, um palito de madeira completo de dentro do coração", ressaltou.

"Ao ser um pedaço de madeira e como o organismo o cobriu de tecido, não podia ser detectado com as radiografias que era o que gerava a infecção", detalhou. "Quando os antibióticos limparam a área afetada pudemos dar conta de uma espécie de carapaça na região cardiovascular à qual decidimos operar", acrescentou o médico.

O paciente foi operado pensando "que o que havia ali era um pedaço de cateter que tinha ficado como consequência de uma transfusão de sangue" que fizeram nele aos 18 anos. Cichero explicou, além disso, que é "um caso único no mundo" no sentido de que o homem "tinha um bom estado de saúde, nunca teve sintomas, nunca sentiu dor".

A principal hipótese do especialista, em relação a como este caso começou, é que "o palito migrou muito lentamente e que o organismo o absorveu, o que fez que seu corpo não tenha sintomas".

O paciente se recupera "muito bem" e na semana que vem "volta para casa", disse o médico.

Veja também:

'A melhor vacina é a disponível': Por que não se pode comparar os imunizantes contra covid-19
EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade