PUBLICIDADE

Mundo

A que se deve a onda de 'consumo desenfreado' nos EUA que confunde economistas

Os americanos não estão diminuindo seu consumo, apesar do aumento das taxas de juro, da diminuição das economias e da inflação elevada.

17 dez 2023 - 16h54
Compartilhar
Exibir comentários
Compras nos EUA
Compras nos EUA
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Consumidores nos EUA estão gastando dinheiro em nível recorde. Economistas veem o fenômeno com surpresa e se esforçam na tentativa de prever onde isso vai parar.

Num contexto de taxas de juro elevadas, poupanças magras e inflação paralisante, os americanos estão consumindo desenfreadamente.

Na Black Friday, as vendas em lojas aumentaram 1,1% em relação ao ano passado; só na internet, um valor recorde de US$ 9,8 bilhões (R$ 48,6 bilhões) foi alcançado.

Já na Cyber Monday, consumidores gastaram outros US$ 12,4 bilhões (R$ 61,5 bilhões), um impressionante aumento de 9,6% em relação ao ano passado.

As duas datas refletem o padrão de gastos dos americanos, que manteve a economia do país em alta no ano passado, representando quase 70% do crescimento de 4,9% do PIB real no terceiro trimestre.

Embora alguns dos gastos reflitam o custo crescente das necessidades básicas, os americanos continuam comprando itens caros e gastando muito dinheiro em experiências como viagens.

Esta postura "YOLO" (sigla para a frase "Você só vive uma vez", em tradução direta do inglês) em relação ao dinheiro contradiz as tendências de consumo em crises econômicas anteriores.

Alguns economistas têm se interrogado sobre o fenômeno, especialmente porque a percepção dos consumidores sobre a economia permanece esmagadoramente pessimista.

"Se tivéssemos dito há 18 meses que o Banco Central dos EUA poderia aumentar as taxas de juros em 500 pontos base e que o consumidor continuaria relativamente tranquilo, eu teria ficado muito surpreendida", diz Ellie Henderson, economista do banco Investec.

"Eu teria dito: 'não é assim que a economia funciona'."

Então, como esse fenômeno é explicado? Estas são algumas das chaves para compreender a febre do consumo nos EUA.

1. Poupar mais

Normalmente, após uma grande crise ou recessão no mercado de trabalho, a economia normalmente experimenta uma pequena recuperação tanto nas poupanças como nos gastos dos consumidores.

No entanto, o Reserve Bank de São Francisco informou em maio que o aumento pós-pandemia das despesas fiscais neste ano ultrapassou o crescimento que se seguiu a qualquer outra recessão desde a década de 1970.

Grande parte desse crescimento, apontam os especialistas, deve-se a um aumento "sem precedentes" nas poupanças acumuladas pelas famílias americanas, impulsionado pela rápida resposta fiscal do governo dos EUA à pandemia.

A resposta do governo dos EUA à pandemia aumentou as poupanças das famílias norte-americanas.
A resposta do governo dos EUA à pandemia aumentou as poupanças das famílias norte-americanas.
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Pacotes de estímulo que injetaram diretamente 5 biliões de dólares (R$ 24,8 bi) na economia dos EUA - combinados com outras políticas indiretas que incluíram moratórias de despejo ou suspensão de pagamentos de dívidas de empréstimos estudantis - levaram os americanos a poupar cerca de 2,3 bilhões de dólares (R$ 11,4 bi) em 2020 e 2021.

Embora as pessoas tenham retirado parte das reservas das suas poupanças neste ano, muitas ainda têm dinheiro em reserva - algumas pela primeira vez na vida - e estão dispostas a gastá-lo agora, mesmo que não acreditem que haverá uma recuperação econômica completa.

Este período sustentado de gastos do tipo "Você só vive uma vez", em meio ao aumento da dívida e à diminuição das poupanças, confundiu muitos economistas.

2. Novas prioridades

Os segmentos mais jovens e de classe média alta da população norte-americana lideram este tipo de gastos, de acordo com a consultoria Boston Consulting Group.

Embora estas pessoas não sejam necessariamente abastadas, ganham o suficiente para cobrir suas necessidades e podem gastar em viagens de lazer e artigos de luxo.

Muitas delas também se inclinam para plataformas do tipo "compre agora e pague depois", que estão registrando um enorme crescimento nos EUA, como ocorreu durante a maratona de compras da Black Friday em novembro.

"A força dos gastos dos consumidores, mesmo depois dos dias sombrios da pandemia, me pegou de surpresa", diz Wendy Edelberg, investigadora sênior em estudos econômicos na Brookings e diretora do Projeto Hamilton.

No entanto, embora este padrão não siga os precedentes econômicos do país, alguns especialistas sustentam que pode ser um comportamento intuitivo.

Muitos norte-americanos preferem gastar dinheiro em experiências em vez de poupar.
Muitos norte-americanos preferem gastar dinheiro em experiências em vez de poupar.
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

"Quando você realmente não sabe o que o futuro reserva - ou mesmo se há um futuro longo o suficiente para você - você se concentra no presente e no horizonte de curto prazo", diz Chiraag Mittal, professor associado de marketing na Escola de Marketing de Comércio McIntire da Universidade da Virgínia.

E acrescenta que, em meio a mudanças comportamentais no trabalho e na vida, "as pessoas estão optando por priorizar sua felicidade e diversão".

Malcolm Harris, autor de Palo Alto: A History of California, Capitalism, and the World, um livro sobre o Vale do Silício sem tradução em português, diz que estes tipos de fatores intangíveis são frequentemente deixados de lado em análises qualitativas que tentam explicar tendências macroeconômicas.

"A vida profissional pode mudar qualitativamente sem ser bem capturada pelas métricas", diz.

Embora muitas pessoas continuem trabalhando e recebendo salários, elas não estão necessariamente felizes: por exemplo, os salários não acompanham a inflação e as pessoas ainda estão se recuperando do trauma físico e psicológico da pandemia.

"Embora os números da satisfação no trabalho pareçam sólidos, os indicadores de felicidade na vida estão no fundo do poço", explica Harris.

"Dado que grande parte das nossas vidas está relacionada com o trabalho, como podem os analistas enquadrar esse círculo?", ele pergunta.

3. A percepção da temporalidade

Por mais inexplicável que o fenômeno possa parecer, vários economistas concordam que estes padrões de gastos tipo YOLO não podem continuar para sempre e que o cenário econômico está prestes a mudar.

Henderson alerta para ventos contrários significativos que podem afetar esta situação, como o impacto das bolsas de educação infantil que expiraram em outubro passado e o retorno dos pagamentos de empréstimos estudantis.

"Como isso não vai afetar o consumo no futuro?", diz o economista.

Muitos americanos percebem que estes elevados níveis de gastos não podem continuar para sempre
Muitos americanos percebem que estes elevados níveis de gastos não podem continuar para sempre
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Além disso, a dívida do cartão de crédito dos EUA ultrapassou pela primeira vez 1 bilhão de dólares (R$ 4,96 bi) e economistas prevêem que o custo dos bens básicos não deverá cair tão cedo, mesmo que a inflação seja controlada.

Henderson prevê que é uma questão de tempo até que alguns americanos sejam forçados a apertar os cintos e a limitar o desperdício.

Mas depois de um ano fiscal tão excepcional, Edelberg não tem tanta certeza.

"Eu realmente não sei quando isso vai mudar", diz ela.

Se tivesse que arriscar, Edelberg afirma que a mudança de comportamento acontecerá até o final do ano. Ainda assim, ela diz: "Sinceramente, não ficaria surpresa em ser surpreendida".

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade