PUBLICIDADE

Moraes sobre manutenção da democracia: "Não podemos dar uma de Bambam contra Popó"

Ministro do STF fez a comparação em palestra na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da Universidade de São Paulo

26 fev 2024 - 20h30
Compartilhar
Exibir comentários

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, atrelou a defesa da democracia à luta de boxe entre o influenciador digital e vencedor do BBB, Kleber Bambam, e o tetracampeão mundial dos ringues, Acelino Freitas, o Popó, ocorrida no último sábado (24).

Luta entre Bambam e Popó, que durou 36 segundos, deu o que falar
Luta entre Bambam e Popó, que durou 36 segundos, deu o que falar
Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles e YouTube/Reprodução / Perfil Brasil

Durante uma palestra na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da Universidade de São Paulo, para ilustrar seu ponto sobre a manutenção da democracia brasileira, o ministro declarou: "Nós não podemos nos enganar. Nós não podemos baixar a guarda... Não podemos dar uma de [Kleber] Bambam contra Popó - que durou 36 segundos. Nós temos que ficar alertas e fortalecer a democracia. Fortalecer as instituições e regulamentar o que precisa ser regulamentado".

Moraes também defendeu a regulamentação das redes sociais, que, segundo o magistrado, são uns dos instrumentos mais danosos ao Estado Democrático. "Em alguns países, os extremistas, quando chegam ao poder, atacam os pilares da democracia. (…) [Atacam] a imprensa livre - emparelhando as notícias verdadeiras com as fraudulentas, colocam em dúvida a credibilidade do sistema eleitoral e, agora, não podem deixar aqueles que têm o papel de garantir o Estado democrático de Direito, não podem deixar que eles tenham independência. Isso foi feito em todos os países onde esse mecanismo de extremismo surgiu".

Para completar, Moraes também advertiu que regular o mundo online não é "ser contra a liberdade de expressão". "Isso é um discurso mentiroso que pretende propagar e continuar propagando o discurso de ódio, a lavagem cerebral que é feita em milhões e milhões de pessoas".

Perfil Brasil
Compartilhar
Publicidade
Publicidade