PUBLICIDADE

Guilherme Mazieiro

PF suspeita que Zambelli fez limpa em gabinete antes de operação e não descarta vazamento

Membros da PF acreditam que deputada se antecipou à operação, mas ainda não descartam possibilidade de vazamento

4 ago 2023 - 18h05
(atualizado às 18h22)
Compartilhar
Exibir comentários
Hacker Delgatti Netto e a deputada Carla Zambelli (PL-SP)
Hacker Delgatti Netto e a deputada Carla Zambelli (PL-SP)
Foto: Reprodução/Instagram/Carla Zambelli / Estadão

Durante a busca e apreensão feita na última quarta-feira, 2, no gabinete da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP), agentes da Polícia Federal (PF) se surpreenderam ao encontrar o gabinete praticamente vazio. Não havia computador e dispositivos no local de trabalho da parlamentar.

Internamente, a corporação suspeita que a deputada já previa que seria alvo de alguma ação judicial e, por isso, fez uma ‘limpa’ no gabinete. Isso porque já é sabido que há outras investigações sobre a parlamentar. Ainda assim, fontes ouvidas pela coluna não descartam a possibilidade de vazamento da operação.

Ao longo dos últimos dias, investigadores estão analisando os materiais colhidos e revendo pontos do trabalho que foi feito até aqui para descartar, com segurança, a hipótese de vazamento e seguir na investigação.

Operação 3FA

O que motivou a PF a ir às ruas prender Walter Delgatti, conhecido como "hacker da Vaza Jato", foram pagamentos realizados pela deputada federal a ele. A operação 3FA fez buscas e apreensão em endereços residenciais e profissionais da parlamentar.

Segundo a decisão judicial, à qual o Terra teve acesso, os assessores de Zambelli – que também foram alvos da operação - teriam solicitado ao hacker que ele realizasse fraudes nas urnas eletrônicas e invadisse as contas de e-mail do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. 

Em depoimento à Polícia Federal (PF), o hacker relatou pedidos que recebeu da deputada Carla Zambelli. Segundo contou à PF, em setembro de 2022, ela solicitou que ele invadisse as urnas eletrônicas ou, se não conseguisse, o e-mail e o telefone do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, ex-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A deputada deu entrevista a jornalistas no dia da operação e negou quaisquer irregularidades e participação em atos ilícitos.

Fonte: Guilherme Mazieiro Guilherme Mazieiro é repórter e cobre política em Brasília (DF). Já trabalhou nas redações de O Estado de S. Paulo, EPTV/Globo Campinas, UOL e The Intercept Brasil. Formado em jornalismo na Puc-Campinas, com especialização em Gestão Pública e Governo na Unicamp. As opiniões do colunista não representam a visão do Terra. 
Compartilhar
Publicidade
Publicidade