PUBLICIDADE

Estudo aponta dados sobre confiança do empresário industrial

A publicação aponta que o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu 0,8 ponto em junho de 2024, passando de 52,2 pontos para 51,4 pontos. Este resultado marca o fechamento do primeiro semestre de 2024.

14 jun 2024 - 12h32
Compartilhar
Exibir comentários

Segundo os dados apresentados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu 0,8 ponto em junho de 2024, passando de 52,2 pontos para 51,4 pontos. Este resultado marca o fechamento do primeiro semestre de 2024.

Foto: Canva / DINO

Conforme informado na publicação, o ICEI começou o ano em um patamar de 53,2 pontos, considerado baixo em comparação a janeiro de anos anteriores. Durante o semestre, o índice alternou entre pequenas altas e baixas, mas mostrou uma tendência geral de queda. Apesar disso, o documento aponta que o índice permanece acima da linha divisória de 50 pontos, que separa a confiança da falta de confiança, indicando um nível de confiança, embora moderado, entre os industriais.

O relatório aponta dados detalhados sobre os componentes do ICEI. O Índice de Condições Atuais, que avalia a situação econômica dos últimos seis meses, registrou uma queda de 0,8 ponto, atingindo 46,2 pontos em junho. Este valor, abaixo da linha divisória de 50 pontos, pode revelar uma percepção negativa dos empresários em relação à economia brasileira e às condições das suas empresas no período recente, segundo a publicação.

Por outro lado, o Índice de Expectativas, que mede as perspectivas para os próximos seis meses, também caiu 0,8 ponto, atingindo 54,0 pontos. Apesar da queda, o relatório indica que o índice ainda se mantém acima dos 50 pontos, sinalizando otimismo em relação ao futuro.

José Antônio Valente, diretor da empresa locadora de equipamentos Trans Obra, afirmou que essa confiança moderada, mesmo com a leve queda registrada, pode ser interpretada como uma oportunidade para o setor de locação de máquinas e equipamentos. Empresas que atuam nessa área devem estar preparadas para um ambiente de negócios que, embora cauteloso, continua investindo em infraestrutura e projetos de construção. "É essencial manter a disponibilidade de equipamentos de alta qualidade e oferecer condições flexíveis para atrair mais clientes e fechar contratos vantajosos".

De acordo com a pesquisa, o recuo na confiança reflete uma combinação de fatores, incluindo incertezas econômicas e desafios enfrentados pelas indústrias no primeiro semestre de 2024. A coleta de dados ocorreu entre 4 e 10 de junho de 2024, com a participação de 1.374 empresas de diferentes portes, o que reforça a abrangência e a representatividade dos resultados apresentados.

Perguntado sobre o assunto, José Antônio afirmou que empresas que investirem em tecnologias avançadas e que oferecerem soluções personalizadas para seus clientes provavelmente se destacarão. Além disso, o foco em sustentabilidade e eficiência energética nos equipamentos alugados pode ser um diferencial competitivo significativo, alinhando-se às tendências globais e às exigências dos projetos de construção moderna e isso que temos em mente na nossa unidade de locação de equipamentos em Araucária no Paraná, focando na qualidade de nossos produtos. José Antônio continuou dizendo que apesar da leve queda no ICEI, o futuro para o setor de locação de máquinas e equipamentos para construção civil parece promissor. "Com a preparação adequada e um foco em inovação e eficiência, as empresas desse setor podem não apenas superar os desafios atuais, mas também aproveitar as oportunidades de crescimento que surgirão nos próximos meses".

Website: https://www.transobra.com.br/

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade