PUBLICIDADE

PSDB diz que federação partidária com Cidadania é bem-vinda

'Há convergência política tanto nas eleições quanto no Legislativo', diz Bruno Araújo

27 jan 2022 16h48
| atualizado às 17h04
ver comentários
Publicidade
O presidente do PSDB, Bruno Araújo 
Foto: George Gianni PSDB
O presidente do PSDB, Bruno Araújo Foto: George Gianni PSDB
Foto: George Gianni / PSDB

BRASÍLIA - A Executiva Nacional do PSDB aprovou nesta quinta-feira, 27, por unanimidade o que chama de avanço no entendimento com o Cidadania para a formação de uma federação partidária, informa a legenda em nota.

"Temos um levantamento preliminar que indica que a federação é bem-vinda. Precisamos avançar no regramento para essa convivência. O Cidadania tem sido parceiro importante do PSDB e há convergência política tanto nas eleições quanto no Legislativo", diz o presidente do PSDB, Bruno Araújo, em nota.

De acordo com o PSDB, os líderes tucanos defenderam na reunião da Executiva que a decisão final sobre a federação com o Cidadania seja tomada "o quanto antes". "Para que também se definam mais rapidamente as chapas que vão disputar as eleições estaduais e nacionais", acrescenta o comunicado oficial.

"Além das aproximações já adiantadas pelas lideranças nos estados, as conversas continuarão sendo conduzidas pelo presidente Bruno Araújo, o secretário-geral Beto Pereira e os líderes na Câmara, Adolfo Viana, e no Senado, Izalci Lucas, com o objetivo de mapear e aparar eventuais arestas regionais", finalizada a nota do PSDB.

A federação partidária é uma novidade das eleições de 2022 e cria uma "fusão temporária" entre os partidos que precisa durar pelo menos quatro anos. A possibilidade foi criada pelo Congresso no ano passado e regulamentada por uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Para siglas menores, a federação oferece a chance de escapar da chamada cláusula de barreira, dispositivo que restringe a atuação parlamentar de um partido que não alcançar determinado porcentual de votos. Para as legendas maiores, oferece a chance de conquistar mais vagas no Congresso.

 

Estadão
Publicidade
Publicidade