PUBLICIDADE

Indefinição no PSDB é secundária em legenda desunida

Não por acaso, a eventual não candidatura a presidente em 2022 segue como opção para os tucanos; leia análise

22 nov 2021 05h10
| atualizado às 07h22
ver comentários
Publicidade
Eduardo Leite, Arthur Virgílio e João Doria no palco do auditório do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, antes das prévias do PSDB
Eduardo Leite, Arthur Virgílio e João Doria no palco do auditório do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, antes das prévias do PSDB
Foto: Dida Sampaio / Estadão

As prévias tucanas definem não apenas o possível candidato do partido em 2022, mas o nome que pode liderar a legenda em um dos momentos mais cruciais de sua história, em busca do protagonismo que perdeu em 2018, com a vitória do presidente Jair Bolsonaro.

Aquele pleito deslocou o PSDB da organização da competição política no Brasil, colocando um desafio para o partido no próximo ano; retomar o papel de legenda com capacidade de formular e executar um projeto de Nação ou permanecer como sigla satélite no interior da constelação partidária, orientando sua sobrevivência à política local.

Esse delicado momento do PSDB, paradoxalmente, ocorreu justamente quando o PT, seu maior adversário, passou por crises profundas com o mensalão e, depois, a Lava Jato. Se seu maior adversário passa por um processo de impeachment, e seu maior rival não ganha votos, é sinal de risco de sobrevivência organizacional.

Curiosamente, o resultado das prévias pode se tornar secundário diante da falta de coesão entre as lideranças tucanas e de identidade junto ao eleitorado.

O adiamento das prévias significa não apenas mais um capítulo de uma novela marcada pelo questionamento das regras de seleção dos candidatos, mas parece traduzir os dilemas organizacionais.

O partido segue sem um projeto minimamente coeso apoiado por suas lideranças. Se no passado as acusações sobre a falta de unidade e o conflito entre os caciques ficavam atrás das cortinas, o atual momento tucano é marcado por acusações públicas.

Reconquistar uma identidade política é o primeiro desafio do vencedor das prévias. O partido parece repetir o erro de 2018, quando entrou em uma eleição apoiando um governo rejeitado.

Hoje, mesmo sem apoiar o governo Bolsonaro, o PSDB parece não ter encontrado sua marca. Além disso, o partido é ameaçado pelo ex-juiz Sérgio Moro na mobilização da terceira via.

Não por um acaso, a eventual não candidatura a presidente segue como opção dos tucanos.

Assim, o resultado das prévias pode ser secundário diante da falta de união partidária rumo à 2022. Na prática, o atraso traz mais tempo para a solução dos dilemas existenciais.

*CIENTISTA POLÍTICO E SÓCIO DA TENDÊNCIAS CONSULTORIA

Estadão
Publicidade
Publicidade