2 eventos ao vivo

Bolsonaro também ganhou entre as mulheres, diz Ibope

Dados inéditos da boca de urna revelam que presidente eleito também conseguiu vencer entre os que tem renda acima de 2 salários mínimos

6 nov 2018
05h11
atualizado às 11h51
  • separator
  • 0
  • comentários

O deputado Jair Bolsonaro (PSL) se elegeu presidente graças à metade mais rica - ou menos pobre - da população brasileira, e perdeu para Fernando Haddad (PT) na metade de baixo da pirâmide de renda. Apesar de ter sido alvo do #elenão, movimento político capitaneado por mulheres contra sua candidatura, o presidente eleito provavelmente venceu por pequena margem no segmento feminino.

O recorte de renda foi o mais importante na definição do resultado: entre os eleitores que ganham mais de dois salários mínimos, Bolsonaro venceu com folga em todas as faixas etárias e de escolaridade, e também em todas as regiões, com exceção do Nordeste.

Apesar de ter sido alvo do #elenão, movimento político capitaneado por mulheres contra sua candidatura, o presidente eleito Jair Bolsonaro provavelmente venceu por pequena margem no segmento feminino
Apesar de ter sido alvo do #elenão, movimento político capitaneado por mulheres contra sua candidatura, o presidente eleito Jair Bolsonaro provavelmente venceu por pequena margem no segmento feminino
Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo

Já a segmentação do eleitorado por gênero indica que mulheres votaram de forma diferente de acordo com sua posição social e idade - as mais jovens, as mais pobres e as menos escolarizadas optaram majoritariamente por Haddad.

Os resultados oficiais da eleição permitem apenas a análise geográfica dos resultados - afinal, o voto é secreto. Só é possível saber como se comportaram os brasileiros segundo gênero, idade, renda e escolaridade graças à pesquisa de boca de urna do Ibope, que ouviu 30 mil eleitores no dia 28 de outubro, depois que eles já haviam teclado sua opção na urna eletrônica.

A pedido do Estado, o Ibope dividiu a amostra da boca de urna em metades, seguindo dois critérios diferentes. O primeiro foi o de gênero, para analisar como votaram homens e mulheres segundo sua idade, renda, escolaridade e região. E o segundo foi o de renda - de um lado, os que ganham até dois salários mínimos, e do outro, os que recebem acima disso.

Na metade mais pobre, Fernando Haddad ficou à frente: 53% a 47%, levando em conta apenas os votos válidos - excluídos brancos e nulos. Na metade menos pobre, Bolsonaro teve dois em cada três votos (67% a 33%).

A divisão do eleitorado por gênero revela que Bolsonaro venceu por 61% a 39% na metade masculina. Entre as mulheres, o placar foi de 52% a 48%. Trata-se de um empate técnico no limite da margem de erro, que é de dois pontos porcentuais. Mas a probabilidade de o candidato do PSL ter ficado à frente é muito maior do que o contrário.

No eleitorado masculino, o domínio de Bolsonaro foi quase total. Ele só não venceu entre os homens com renda de até um salário mínimo, os que estudaram até a quarta série e os que são do Nordeste. Nesses segmentos, Haddad teve 61%, 59% e 61%, respectivamente.

As mulheres deram a Bolsonaro uma vitória folgada em quase todo o País - foram as nordestinas que votaram em peso em Haddad e equilibraram o placar nacional. No Sul, no Sudeste e no Centro-Oeste, o candidato do PSL teve no segmento feminino vantagem de 28, 20 e 14 pontos porcentuais, respectivamente. No Nordeste, o candidato petista venceu por 46 pontos de folga (73% a 27%).

Só as mulheres com renda inferior a dois salários mínimos votaram majoritariamente em Haddad - na faixa das que ganham de dois a cinco mínimos, Bolsonaro venceu por 62% a 38%. Entre as com renda superior a cinco mínimos, o militar reformado teve 64% das preferências.

A maior divergência no voto entre homens e mulheres se deu entre os mais jovens. Os rapazes de 16 a 24 anos votaram em Bolsonaro na proporção de 60% a 40%. Já as garotas da mesma idade deram a Haddad 59% a 41%.

O domínio de Haddad não foi generalizado também entre os mais pobres. Dos que ganham até dois salários mínimos, a vantagem do petista se deu dentro da margem de erro da pesquisa entre os mais velhos (acima de 55 anos) e na faixa de 25 a 34 anos, por exemplo, E o petista não venceu entre os que têm baixa renda e alta escolaridade (mais de nove anos de estudo).

No Nordeste, principal reduto petista, Haddad teve vantagem de 44 pontos no segmento que ganha até dois mínimos, e de apenas 4 (empate técnico no limite da margem) entre os que têm renda acima disso.

A pesquisa do Ibope foi registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo BR-07268/2018 e divulgada no domingo, 28 de outubro.

Veja também:

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade