PUBLICIDADE

Lula diz que Bolsonaro tem "medo de ser preso" e está com "dias contados"

Petista afirma que, por essa razão, o presidente questiona o sistema eleitoral brasileiro

10 mai 2022 10h46
| atualizado às 11h43
ver comentários
Publicidade
Lula e Jair Bolsonaro são candidatos competitivos para a eleição presidencial de 2022.
Lula e Jair Bolsonaro são candidatos competitivos para a eleição presidencial de 2022.
Foto: Antonio Cruz e Valter Campanato/Agência-Brasil / Estadão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) provocou Jair Bolsonaro (PL) e disse que o presidente da República está com os "dias contados" e tem "medo de ser preso", caso perca as eleições deste ano.

Para o petista, estes são os motivos que levam o atual chefe do Executivo e candidato à reeleição a lançar reiterados questionamentos sobre a lisura do sistema eleitoral, sem apresentar provas. "Bolsonaro, seus dias estão contados. Não adianta desconfiar de urna. Você tem medo de perder as eleições e ser preso depois de terminar as eleições", afirmou Lula nesta segunda-feira, 9, durante ato de lançamento da pré-candidatura do deputado federal Reginaldo Lopes (PT) ao Senado por Minas Gerais.

No Twitter, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) reagiu. "Por que o descondenado (sic) e seus comparsas berram com tanto ódio há tanto tempo suplicando prisão para qualquer opositor político? Isso é um ato democrático?", questionou o filho do presidente.

TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rebateu nesta segunda os questionamentos das Forças Armadas sobre o pleito e descartou quaisquer mudanças no rito eleitoral deste ano, como deseja Bolsonaro. Em documento divulgado pela Corte, que reitera a segurança das urnas eletrônicas, o tribunal diz que não há "sala escura" de apuração dos votos, como afirmado por Bolsonaro ao sugerir uma contabilização paralela controlada pelos militares. Em nota, a Corte afirmou também que "o quadro administrativo e normativo das eleições de 2022 está pronto e acabado, de modo que os prazos para alterações no processo eleitoral já foram excedidos".

A nota oficial vem após o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio, enviar ofício na semana passada ao presidente do TSE, Edson Fachin, pedindo a divulgação das sugestões apresentadas pelas Forças Armadas para as eleições. A Corte defendeu ainda que, neste momento, cabe apenas cumprir o que determinam a Constituição Federal e a legislação. "Paz e Segurança nas eleições, eis o que guia a defesa do processo eleitoral, o respeito ao resultado das urnas e o Estado democrático de direito", acrescenta o comunicado.

Ainda assim, o TSE promete responder, até a próxima quarta-feira, às sugestões feitas fora de prazo pelos militares para supostamente aprimorar o processo eleitoral.

Estadão
Publicidade
Publicidade