PUBLICIDADE

Política

Investigada pelo 8 de janeiro, ex-prefeita assume vaga do PL no Senado e pede anistia de 'patriotas'

Rosana Martinelli (PL-MT) é suplente do senador Wellington Fagundes (PL-MT), que tirou licença de 120 dias para tratamento de saúde

13 jun 2024 - 12h02
(atualizado às 12h13)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Agência Senado

Rosana Martinelli (PL-MT), ex-prefeita de Sinop, no Mato Grosso, tomou posse como senadora nesta quarta-feira, 12, substituindo o também senador Wellington Fagundes (PL-MT), que se licenciou por 120 dias para tratamento de saúde. Martinelli, suplente de Fagundes, está sendo investigada por suspeita de participação nos atos golpistas de 8 de janeiro. Em seu discurso de posse na tribuna do Senado, a parlamentar defendeu a anistia aos presos que invadiram os prédios dos Três Poderes.

"Me solidarizo com todos aqueles que tiveram seus direitos violados e espero que essa Casa possa ajudar todos os patriotas que querem e lutaram pela liberdade", afirmou.

Em outro momento do discurso, Martinelli mencionou que teve suas contas bloqueadas e está com o passaporte retido por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Moraes é relator no inquérito que investiga os envolvidos nos atos golpistas. 

A parlamentar recebeu apoio de parlamentares de diferentes espectros políticos, incluindo membros da oposição e de governistas. O presidente do PL, partido de Martinelli, Valdemar Costa Neto, esteve presente na cerimônia de posse.

Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), destacou que a senadora assumiu o mandato no momento em que o parlamento debate a possibilidade de "anistia" para os investigados pelos eventos de 8 de janeiro. Um projeto de lei nesse sentido, proposto por Hamilton Mourão (Republicanos-RS), está em tramitação no Senado.

Por outro lado, o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que se opõe à anistia, já declarou que os eventos de 8 de janeiro "nunca devem ser esquecidos" e defende a punição dos responsáveis pelos atos de vandalismo.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade