PUBLICIDADE

Política

Deputados criticam decisão do STF que atinge imprensa: 'Gravíssimo erro'

Parlamentares da esquerda, do centro e da direita, apontam que decisão 'pode induzir à autocensura' e 'afeta a liberdade de expressão'

1 dez 2023 - 15h20
Compartilhar
Exibir comentários

BRASÍLIA — Deputados federais criticaram a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que afetará a publicação de conteúdos produzidos por jornais, revistas e portais jornalísticos. Parlamentares dizem que a postura do STF, em responsabilizar veículos noticiosos por declarações de entrevistados contra terceiros se houver "indícios concretos" de que a informação é falsa, é um "equívoco", "fere a liberdade de expressão" e "pode induzir à autocensura".

BRASILIA DF NACOIIONAL ARTHUR LIRA CAMARA 05/09/2023 - Plenario Sessao Deliberativa Discussao e votacao de propostasDiscussao e votacao de propostas. Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira FOTO ZECA RIBEIRO AGENCIA CAMARA
BRASILIA DF NACOIIONAL ARTHUR LIRA CAMARA 05/09/2023 - Plenario Sessao Deliberativa Discussao e votacao de propostasDiscussao e votacao de propostas. Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira FOTO ZECA RIBEIRO AGENCIA CAMARA
Foto: Zeca Ribeiro/Agência Câmara / Estadão

O posicionamento partiu de representantes da esquerda, do centro e da direita. "Essa discussão não pode ser político-ideológica. É uma questão de princípio", disse Mendonça Filho (União-PE). "Com todo o respeito ao Supremo, um gravíssimo erro que vai afetar uma das cláusulas pétreas de um regime democrático, que é a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa".

Para Chico Alencar (PSOL-RJ), a decisão pode afetar diretamente o trabalho dos repórteres. "Culpar o mensageiro pelo conteúdo da mensagem. Esse parece ser o teor da decisão do STF sobre a responsabilização de veículos de comunicação por calúnia, ofensa ou mentira de entrevistado. Pode induzir à autocensura", afirmou.

Como mostrou o Estadão, associações de imprensa temem que o entendimento comprometa entrevistas ao vivo e especialistas projetam que a tese fixada pelos ministros poderá estimular a autocensura nas redações.

Como reação, congressistas protocolaram um projeto de lei contra o entendimento do Supremo e planejam levantar 171 assinaturas para também registrar uma proposta de emenda à Constituição (PEC). A proposta é de Kim Kataguiri (União-SP) e tem a coautoria de Mendonça.

"A decisão do STF é o pior retrocesso para a liberdade de expressão da história da Nova República. Ela fere de morte o jornalismo investigativo e cria uma blindagem ainda maior para a elite política corrupta do nosso País", disse Kim.

Foram os deputados da oposição que concentraram as maiores críticas à decisão da Corte. "Age na contramão da democracia. Criar mecanismos para barrar ou criar obstáculos no trabalho dentro do âmbito jornalístico irá cercear a liberdade de imprensa", disse Rodrigo Valadares (União-SE).

O julgamento do tema foi concluído em agosto, no plenário virtual, mas a tese ainda não havia sido definida. Os ministros decidiram que os veículos da imprensa podem ser punidos na esfera cível, por danos morais e materiais por conta do que dizem os entrevistados se ficar provado que não checaram as informações divulgadas.

A tese tem repercussão geral, ou seja, funcionará como diretriz para todos os juízes e tribunais do País. "Mais uma decisão catastrófica. Precisamos respeitar o direito de liberdade de Imprensa. Os jornalistas precisam ter a liberdade necessária para realizarem seus trabalhos", afirmou Sargento Gonçalves (PL-RN).

"Com essa decisão, as entrevistas ao vivo irão ser extintas, pois nenhum veículo vai querer responder por atos de seus entrevistados. Isso certamente já configura uma censura contra aqueles que buscam a verdade", comentou Rodolfo Nogueira (PL-MS), que definiu o entendimento como "o cúmulo do absurdo".

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade