PUBLICIDADE

Política

"Bolsonaro tá fazendo questão que eu vá lá", diz hacker Delgatti em áudio inédito

Material, gravado durante os meses agosto e setembro de 2022 , mostra proximidade com família de Zambelli e protagonismo de Bolsonaro

22 ago 2023 - 11h03
(atualizado às 12h22)
Compartilhar
Exibir comentários
Nesta quinta (17) a CPMI do 8 de Janeiro ouviu o hacker Walter Delgatti
Nesta quinta (17) a CPMI do 8 de Janeiro ouviu o hacker Walter Delgatti
Foto: MOLINA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O hacker Walter Delgatti Neto revelou, em áudio obtido pelo site Metrópoles, que recebeu um convite para se encontrar com o então presidente Jair Bolsonaro no ano passado. O objetivo do encontro era "configurar o código-fonte para dar o resultado que eles querem".

Os áudios foram registrados durante a alegada implementação do suposto projeto golpista permaneciam até então desconhecidas tanto para a Polícia Federal (PF) quanto para a CPMI do 8 de janeiro. As gravações teriam acontecido entre os meses de agosto e setembro do ano anterior. 

Um dia antes do encontro com o ex-presidente Bolsonaro, por exemplo, Delgatti foi gravado antecipando o teor da discussão da reunião. O programador já tinha visitado a sede do PL para conversar com o presidente nacional da legenda, Valdemar Costa Neto, onde, supostamente, a trama também foi discutida.

"Eles vão configurar o código-fonte para dar o resultado que eles querem. Eles vão pegar agora uma urna. Eles mesmo vão fazer isso", afirmou.

Naquela oportunidade, o programador explicou que as ações tinham como propósito induzir o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a permitir a supervisão das urnas por parte dos militares, criando uma via para questionar uma eventual vitória do então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Protagonismo de Bolsonaro

Em outro áudio, de 22 de setembro, Delgatti insinua que ele e o ex-presidente tiveram várias reuniões, compartilhando informações detalhadas sobre o alegado envolvimento de Bolsonaro na trama golpista.

"O Bolsonaro, ele tá fazendo questão que eu vá lá. Aí, teve alguém da equipe que falou: 'Irmão, é bom ele não vir aqui porque pode queimar'. Ele (Bolsonaro) falou: 'Quem manda aqui sou eu, e ele vai vir'", diz o áudio.

Conforme relatado por Delgatti, a trama teria impacto direto em benefício do ex-presidente. "Ou você acha que o presidente da República estaria correndo esse risco de me receber lá, me receber lá, se não fosse algo que ajudasse muito ele?", continua.

Na mesma conversa, ele debocha sobre como o grupo associado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que de certa forma foi beneficiado com as ações de Delgatti ao vazar os diálogos dos procuradores da Lava Jato, não o teria recebido com a mesma aceitação.

"O Lula nunca quis… me falou um 'oi'", diz. Nas palavras do programador: "O que eu vou fazer atrás de Lula? Eu nunca vou ser de esquerda. Eu sempre gostei de arma".

Proximidade com Zambelli

Durante a sessão da CPMI, Delgatti foi questionado sobre sua ligação com a deputada Carla Zambelli, que está sob investigação por supostamente ter recrutado o programador. A defesa da parlamentar alegou que a proximidade se devia a um projeto de trabalho relacionado à gestão das redes sociais da política.

No entanto, de acordo com a gravação obtida pelo Metrópoles, o programador e Zambelli mantinham uma relação quase familiar, conforme relatado pelo hacker.

"Eles estenderam a mão para mim, cara. A Carla me tratou hoje como se fosse um filho, coisa que nunca aconteceu na minha vida", diz Delgatti. "A ponto da mãe dela me servir leite com Nescau, na mesa, e acompanhado com ela".

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade