PUBLICIDADE

Falta de IFA pode afetar vacinação em junho, diz Dimas Covas

Presidente do Instituto Butantan afirmou que "preocupa muito o cronograma de vacinação"

10 mai 2021 09h23
| atualizado às 09h35
ver comentários
Publicidade

O cronograma nacional de vacinação contra a covid-19 no Brasil pode ser afetado pelos atrasos na chegada de insumo farmacêutico ativo (IFA) importado da China a partir de junho, disse nesta segunda-feira o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas.

Presidente do Butantan, Dimas Covas, durante entrevista coletiva em São Paulo
10/11/2020 REUTERS/Amanda Perobelli
Presidente do Butantan, Dimas Covas, durante entrevista coletiva em São Paulo 10/11/2020 REUTERS/Amanda Perobelli
Foto: Reuters

Em entrevista na sede do instituto para marcar a entrega de um lote de 2 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra covid-19 do laboratório chinês Sinovac, ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, Covas disse ainda que não há uma data para a chegada de mais IFA para o Butantan, que já envasou todo insumo que tinha em estoque.

"Preocupa muito o cronograma de vacinação, não neste momento, mas a partir de junho poderá sofrer algum impacto", afirmou o presidente do Butantan, lembrando que o IFA da vacina da AstraZeneca, que está sendo envasada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também é importado da China.

"Não temos definição da liberação do insumo na China. Existe a definição de 4 mil litros, sim, e esperamos que até na quarta-feira, dia 13, possamos ter uma notícia positiva", acrescentou Covas, que espera a chegada do lote para, no máximo, o dia 18.

O presidente do Butantan voltou a afirmar que o atraso se deve à demora na autorização de exportação do IFA por parte do governo da China e não à produção da Sinovac. Informações do governo do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado, dão conta de que o laboratório chinês tem 10 mil litros de IFA prontos, aguardando liberação para embarque ao Brasil.

Também presente na coletiva, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a responsabilizar declarações contrárias à China feitas pelo presidente Jair Bolsonaro e por outras autoridades do governo federal, como o ministro da Economia, Paulo Guedes, pelo atraso na liberação dos insumos pelo governo chinês.

"É muito claro que há uma limitação determinada pelo governo da China dadas as circunstâncias das manifestações absolutamente inapropriadas, inadequadas e inoportunas do governo brasileiro através das suas autoridades", disse o governador que, ao mesmo tempo, afirmou que o ministro das Relações Exteriores, Carlos França, tem feito esforços diplomáticos junto ao governo chinês para agilizar a liberação de exportação.

Com a entrega desta segunda, o Butantan ultrapassou a marca de 45 milhões de doses da CoronaVac entregues ao PNI. Na quarta-feira o instituto prevê entregar mais 1 milhão de doses, concluindo assim os 46 milhões de doses previstas na primeira parte do contrato com o Ministério da Saúde, que deveria ter sido finalizada ao final de abril.

Na sexta, o Butantan espera entregar mais 1,1 milhão de doses da vacina, iniciando assim o segundo contrato com o ministério, que prevê a entrega de 54 milhões de doses até o final de setembro.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade