PUBLICIDADE

Aposentado morreu em seu 1º passeio de lancha, diz sobrinho

Corpo de Bombeiros confirmou a identificação de 5 das 10 vítimas da tragédia

9 jan 2022 13h20
| atualizado em 10/1/2022 às 08h55
ver comentários
Publicidade
Bombeiros realizam buscas por vítima em Capitólio
Bombeiros realizam buscas por vítima em Capitólio
Foto: Corpo de Bombeiros de Minas Gerais

Cinco das 10 vítimas da tragédia em cânion em Capitólio (MG) foram identificadas, segundo informações da Polícia Civil. São elas: 

- Júlio Borges Antunes, 68, natural de Alpinópolis (MG);
- Camila Silva Machado, 18 anos, de Paulínia (SP);
- Sebastião Teixeira da Silva, 64, de Anhumas (SP);
- Marlene Augusta Teixeira da Silva, 57, de Itaú de Minas (MG);
- Mykon Douglas de Osti, 24, de natural de Campinas (SP);

Primeira vítima da tragédia de Capitólio (MG) a ser identificada, Júlio Borges Antunes, de 68 anos, morava em São José da Barra, cidade que fica a 45,7 km do local do acidente, e pela primeira vez, resolveu fazer o passeio de barco no cânion. Antunes está entre as dez vítimas fatais de um deslizamento de rocha no Lago de Furnas, no sábado, 8. A Polícia Civil divulgou sua identidade neste domingo, 9.

"Sempre gostou de pescar, mas foi a primeira vez que foi dar um passeio de lancha", disse Felipe Antunes, sobrinho do aposentado, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Além de Júlio, foram confirmadas também as mortes do policial militar aposentado de Minas Gerais, Sebastião Teixeira da Silva, de 63 anos; sua esposa e dona de casa, Marlene Augusta Silva, de 52 anos.

Segundo o marmorista Rogelhio Francisco das Chagas, de 37 anos, as vítimas são de Serrania (MG). "Vieram a passeio. Estavam acampados em um sítio e resolveram andar de barco", disse.

Rocha desaba sobre barcos de turistas em Capitólio, Minas Gerais:

Tristeza e consternações

O clima no IML (Instituto Médico Legal) de Passos-MG, na manhã deste domingo, é de total tristeza e consternação pelas vítimas de Capitólio.

Os familiares das vítimas chegam a toda hora para tentar fazer o reconhecimento e a liberação dos corpos, ou coletar material genético para posterior identificação dos cadáveres, já que muitos deles foram mutilados em razão da força que causou com o impacto da caída da rocha com as águas do cânion.

Rodrigo Alves dos Anjos era o piloto da lancha e morador de Betim-MG. Sua filha, Milena Rodrigues Alves dos Anjos, bastante abalada, destacou que seu pai era um condutor experiente. Foi ela quem fez a coleta do material genético para reconhecimento de seu pai, com uso de cotonete em sua boca, uma vez que Rodrigo ainda não havia sido reconhecido.

Segundo balanço divulgado pelo Corpo de Bombeiros na manhã deste domingo, 50 militares estão empenhados na operação de busca, entre bombeiros militares e militares da Marinha do Brasil; 11 mergulhadores dos bombeiros especializados nesse tipo de operação; quatro  lanchas e três motos aquáticas da Marinha e dos bombeiros lançadas no local de busca já delimitado, além do apoio de sete viaturas.

O Corpo de Bombeiros informou que oito pessoas morreram com o desabamento, sendo três mulheres e cinco homens. Já outras duas estão desaparecidas. Ainda segundo as informações divulgadas, quatro pessoas seguem internadas, em hospitais de cidades próximas a Capitólio, e 23 foram atendidas e liberadas.

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade