PUBLICIDADE

'Um Defeito de Cor': conheça o clássico da literatura antirracista que inspirou desfile da Portela

Escrito por Ana Maria Gonçalves, livro conta a história de Luísa Mahin, tida como mãe do abolicionista Luís Gama, e apareceu como o mais vendido da Amazon

13 fev 2024 - 16h14
(atualizado em 14/2/2024 às 10h12)
Compartilhar
Exibir comentários

A Portela escolheu basear seu enredo desta segunda-feira, 12, em um clássico da literatura antirracista nacional. Um Defeito de Cor, livro escrito por Ana Maria Gonçalves, inspirou um desfile na Marquês de Sapucaí com alegorias luxuosas e a presença de Silvio Almeida, ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, e Marinete Silva, mãe de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro assassinada em 2018.

Com 952 páginas, o livro apareceu em primeiro lugar entre os mais vendidos na Amazon nesta terça-feira, 13, logo após a segunda noite de desfiles das principais escolas de samba do Rio de Janeiro.

A obra foi um sucesso de vendas desde o lançamento, em 2006, e recomendada por diversas personalidades de destaque no combate ao racismo, como o ator Lázaro Ramos, que também desfilou com a escola.

Apesar de ser um romance, o livro é baseado em fatos históricos. Ilustra a trajetória da ex-escrava Luísa Mahin, figura importante na Revolta dos Malês, na Bahia, tida como mãe do abolicionista Luiz Gama. Na obra, Luísa, também conhecida como Kehinde, volta ao Brasil, cega, para procurar o filho desaparecido.

'Um Defeito de Cor', clássico da literatura antirracista, inspirou o samba-enredo da Portela no carnaval do Rio
'Um Defeito de Cor', clássico da literatura antirracista, inspirou o samba-enredo da Portela no carnaval do Rio
Foto: PEDRO KIRILOS/ESTADÃO / Estadão

A narrativa é centrada e contada por Kehinde, mas são muitos os personagens que dão vida à história: 416, até o início do nono capítulo, muitos deles inspirados em pessoas reais.

"Quis contar principalmente a história das mulheres, que tiveram um papel importantíssimo durante a escravidão. Não se tem quase nada de informações sobre elas, nem no Brasil nem na África", comentou a autora em entrevista ao Estadão em 2007, pouco depois do lançamento do livro, em uma participação na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

À época, Ana Maria Gonçalves comentou que não escreveu a obra com a intenção de uma adaptação cinematográfica no futuro, mas como "um livro que gostaria de ter lido sobre todas aquelas histórias esquecidas e perdidas nos arquivos". "Há histórias comoventes de mães que sacrificam os filhos para que não passem por aquilo que viveram", disse.

O ator Lázaro Ramos foi um dos destaques do desfile da Portela na segunda-feira
O ator Lázaro Ramos foi um dos destaques do desfile da Portela na segunda-feira
Foto: PEDRO KIRILO/ESTADÃO / Estadão

Uma dessas histórias é a de uma escrava impedida de amamentar os filhos para dar leito ao bebê da patroa. Trancada em um quartinho após desobedecer a ordem, ela e as crianças passam a ser alimentados com apenas uma lata de arroz por dia.

A mulher, então, enlouquece e estrangula os dois bebês, tentando cortar o pescoço com a tampa da lata. "É uma história que li num jornal, como muitas que estão no livro", comenta a escritora.

No argumento para o enredo, a Portela descreveu que a vida de Luísa "poderia ser a história da mãe de qualquer um de nós, ou melhor dizendo, é a história das negras mães de todos nós". "Precisamos não apenas nos espelhar na história, mas principalmente valorizar as descendentes desses movimentos de coragem por amor à continuidade", argumentou a escola.

Livro que ultrapassa a literatura

Ao Estadão, Iraneide Soares da Silva, presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), avalia que Um Defeito de Cor é um livro que "ultrapassa a literatura". "Não é somente a ficção, mas é a história do Brasil. A história das mulheres negras brasileiras", diz.

Ela considera que a escola foi "muito feliz" com a escolha e em levar o tema do antirracismo para a Marques de Sapucaí. "Quando eu assisti ao desfile, fiquei encantada porque consegui ver a história que a gente tem tentado contar e recontar do Brasil", comenta.

Para ela, Um Defeito de Cor no carnaval significa a possibilidade de fortalecer a revisão historiográfica do Brasil, especialmente em relação às mulheres negras. A importância de livros como o de Ana Maria Machado - Iraneide também cita Quarto de Despejo, de Carolina Maria de Jesus - é de aproximar o público do que já é pesquisado acerca do antirracismo.

Portela levou a sua tradicional águia para a Marquês de Sapucaí; desfile foi marcado por alegorias luxuosas
Portela levou a sua tradicional águia para a Marquês de Sapucaí; desfile foi marcado por alegorias luxuosas
Foto: PEDRO KIRILOS/ESTADÃO / Estadão

Carnaval não existiria sem a população negra

A pesquisadora pontua que não há como se imaginar o carnaval sem pensar na participação negra no Brasil. Ela frisa, porém, que em blocos e festas tradicionais, como em Salvador ou Olinda, não é possível visualizar, de modo geral, os negros usufruindo tanto da data.

"As escolas de samba tradicionais, sobretudo do Rio de Janeiro, são constituídas pela população negra, pelas comunidades, mas quem está dirigindo, muitas vezes, não somos nós", afirma. Para Iraneide, o carnaval tem sofrido "apropriação", mas, ao mesmo tempo, não há como fugir de temas da negritude.

"Essa tradição não tem como fugir da gente, da população negra", comenta. "Mas, a gente precisa ter uma participação mais expressiva, sobretudo em grandes blocos do carnaval, que são privatizados e [nos quais] ainda estamos carregando carrinho e empurrando o carro [alegórico]."

Assista a um trecho do desfile:

* Este conteúdo foi produzido em parceria com Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN)

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade