PUBLICIDADE

Transfobia: entenda as raízes e os impactos deste tipo de preconceito

Pessoas trans são discriminadas diariamente no Brasil. Entenda as consequências das agressões contra a minoria e como funciona a legislação nesses casos

5 ago 2022 - 12h12
(atualizado às 15h13)
Ver comentários

Há 13 anos consecutivos, o Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo. Em 2021, 140 pessoas transgênero foram assassinadas em território nacional, sendo 135 travestis e mulheres transexuais e cinco homens trans e pessoas transmasculinas. É o que aponta o Dossiê Assassinatos e Violências Contra Travestis e Transexuais Brasileiras , feito pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais ( Antra ).

Em 2018, manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo, pela visibilidade de pessoas transexuais
Em 2018, manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo, pela visibilidade de pessoas transexuais
Foto: NurPhoto/Getty Images / Guia do Estudante

Segundo o levantamento, os estados com o maior número de mortes são São Paulo, Bahia e Rio de Janeiro, respectivamente. Sozinho, o país acumula 38,2% de todas as mortes de pessoas trans do mundo. 

Mas, afinal, o que é uma pessoa transgênero? Por que a identidade de gênero de pessoas trans é colocada em xeque por parte da sociedade, gerando tantos atos de violência? E como a lei atua para proteger os direitos dessa população? Vem que a gente te explica!

O que é transgênero?

Transexuais são pessoas que não se identificam com o sexo biológico com que nasceram. O oposto de transgênero é o cisgênero - que se identifica com o sexo biológico.

Exemplos:

  • uma mulher trans é uma pessoa que nasceu com genitália masculina e se identifica com o gênero feminino.
  • um homem trans é uma pessoa que nasceu com genitália feminina e se identifica com o gênero masculino.

Gênero: é determinado por construções sociais moldadas ao longo dos anos sobre o que se espera do comportamento de uma pessoa a partir do seu sexo biológico.

Identidade de gênero: é o gênero com o qual uma pessoa se identifica. Essa identidade pode ou não estar em consonância com o sexo biológico, os órgãos genitais. Está relacionada a como a pessoa se vê e como se percebe no mundo.

Orientação sexual: refere-se à sexualidade de uma pessoa, ou seja, por qual sexo alguém se sente atraído.  

Confira aqui o nosso dicionário LGBTQ+ para entender outros termos usados pelo movimento.

O que é transfobia?

Transfobia é todo e qualquer tipo de preconceito, aversão, rejeição, ódio, medo ou discriminação de pessoas transexuais. Essas atitudes podem se manifestar, de forma explícita ou velada, por meio de violências físicas, psicológicas ou morais. 

Os atos discriminatórios que de alguma forma atacam a manifestação individual dessas pessoas costumam partir de uma visão distorcida - e errônea - de que a transexualidade não é algo "natural" da condição humana. Por muito tempo, as pessoas trans foram julgadas pela sociedade como se enfrentassem um transtorno mental. No Brasil, até a década de 1980, por exemplo, a transexualidade e outras questões de orientação sexual e de gênero eram encaradas como patologias e "tratadas" dentro da área da psiquiatria.

Vale ressaltar que a agressão a pessoas trans é enquadrada em crime de ódio. Isso porque, diferentemente de outros crimes, neste caso a identidade de gênero é um fator determinante para a agressão. O objetivo, portanto, é atacar a minoria social, não apenas a pessoa em si. 

Embora os casos de violência física e assassinato sejam frequentes no Brasil, essas não são as únicas formas de agressão. 

A transfobia pode estar em atitudes que parecem inofensivas, como não validar a identidade de gênero de uma pessoa, ignorando seu nome social ou trocando pronomes, por exemplo, ou até por meio de perguntas invasivas, como "mas você não é mulher de verdade?" ou "você fez a cirurgia de mudança de sexo?".

A falta de representatividade nos mais diversos meios também acaba gerando uma espécie de exclusão e até silenciamento desse grupo, o que também desencadeia um sentimento de não pertencimento à sociedade. 

A transfobia na educação 

Segundo levantamento realizado pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), estudantes transexuais representam só 0,1% do total dos alunos de universidades federais. No ensino básico, os números também são alarmantes: 72% da comunidade não-cis sequer possui o Ensino Médio completo, 56% o Ensino Fundamental.

Pela hostilidade que o ambiente escolar pode promover, com casos de bullying, por exemplo, e, muitas vezes, uma certa negligência por parte das instituições, ocorre uma evasão sistemática das pessoas trans do mundo estudantil.

Inclusive, o Plano Nacional da Educação aprovado em 2014 e válido até 2024, que tem como objetivo determinar as diretrizes, metas e estratégias das políticas educacionais brasileiras, não menciona algumas noções fundamentais que impactam em uma maior consciência sobre as diferenças, como "identidade de gênero", "orientação sexual". 

Nesse contexto, já existem alguns cursinhos pré-vestibulares específicos direcionados à comunidade, como o Transformação , em São Paulo; o Prepara Trans , em Goiás; o Educatrans , em Sergipe; e o Prepara Nem , no Rio de Janeiro.

No mercado de trabalho

A exclusão escolar acaba impactando diretamente na qualificação profissional dessas pessoas e dificultando a inclusão no mercado de trabalho. 

Estima-se que 90% das mulheres trans e travestis no Brasil têm a prostituição como a única fonte de renda para a sua subsistência, segundo um estudo da Antra. Em relação ao restante, apenas 4% possuem emprego formal e 6% possuem emprego informal. 

"A principal pauta do movimento trans eu tenho certeza que é o mercado de trabalho. O mercado de trabalho é muito restrito. A única profissão que elas têm são profissões como cabeleireira, esteticista e a prostituição. Mas muitas delas querem ter outros espaços também", disse Milena Passos, ativista há 25 anos e coordenadora do Grupo Gay da Bahia (GGB), em entrevista ao G1 . "[Pessoas trans e travestis] São expulsos de casa, a escola não aceita, o mercado de trabalho não se prepara e sobra, praticamente, a prostituição."

Na mesma entrevista, o ativista da causa trans Caio Guimarães explicou que algumas empresas empregam pessoas trans apenas para serem bem vistas no âmbito social mas, na prática, esses trabalhadores não recebem tratamento igual ao dos demais.

"Na verdade, é só por uma questão de status e dizer que você está contratando [transsexuais e travestis] mas, quando a pessoa passa pela agressão e você vai falar, as pessoas não sabem nem como agir ou não fazem nada. Tudo isso é muito difícil porque realmente é desassistido tanto no âmbito da instituição quanto na delegacia", afirmou Caio.

Outros impactos

A educação e o mercado de trabalho são apenas alguns exemplos dos impactos da transfobia, mas o problema gera consequências para a vida dessas pessoas como um todo.

Apesar de não existirem dados oficiais sobre o tema, estima-se que os índices de suicídio de pessoas trans sejam de 31% a 50% que os transgêneros apresentam os maiores índices de depressão, ansiedade e outras patologias complexas, segundo Vinícius Alexandre, coordenador do Grupo de Ação e Pesquisa em Diversidade Sexual e de Gênero da USP (Universidade de São Paulo).

A Antra também aponta que, as pessoas transgênero são expulsas de casa pelos pais no Brasil, em média, aos 13 anos de idade. E a expectativa de vida das pessoas do grupo é de 35 anos.

Transfobia e a legislação

Na Constituição de 1988 , não há uma referência específica aos direitos da comunidade LGBTQIA+. Mas muitos dos princípios fundamentais da legislação brasileira protegem esse grupo, como o artigo 5º , que define que "todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade" e que a lei punirá qualquer tipo de discriminação.

Em 2018, também foi permitida a inclusão ou exclusão de nome social da pessoa transgênero no Cadastro de Pessoa Física (CPF), assim como a retificação do registro civil sem a necessidade de cirurgia de redesignação sexual.

Além disso, em 2019, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que atos de homofobia e transfobia podem ser equiparados, perante a lei, ao crime de racismo e, dessa forma, devem ser punidos seguindo as mesmas diretrizes - até que o Congresso Nacional defina uma lei específica para a questão LGBTQIA+.

Mas mesmo com essas leis em vigor, os direitos dessa comunidade ainda são desrespeitados. A transfobia, a patologização de identidades de gênero e as ações de exclusão contra o grupo, impedem o exercício pleno da cidadania de pessoas trans e a livre manifestação de suas individualidades, gerando estatísticas preocupantes e uma discriminação violenta e sistemática desse grupo.

Para se aprofundar no tema

  • Bixa travesti, documentário disponível no Globoplay;
  • Homo e transfobia: por que a lei não pega; episódio do podcast O Assunto;
  • Trans: Histórias reais que ajudam a entender a vida das pessoas transexuais desde a infância; livroreportagem de Renata Ceribelli e Bruno Della Latta.
Você sabe o que significa o “T” da sigla LGBTQIA+?:

 

Guia do Estudante
Publicidade
Publicidade