PUBLICIDADE

Logan Paul gastou US$ 3.5 mi em cards Pokémon que podem ser falsos

Seria possível haver tantos conjuntos lacrados da primeira edição do jogo em 1999?

5 jan 2022 18h07
ver comentários
Publicidade
Logan Paul gasta US$ 3,5mi em cards Pokémon - mas eles podem ser falsos
Logan Paul gasta US$ 3,5mi em cards Pokémon - mas eles podem ser falsos
Foto: Reprodução

Em dezembro de 2021, o controverso criador de conteúdo norte-americano Logan Paul gastou US$ 3,5 milhões na compra de uma caixa com seis booster boxes da primeira edição de Pokémon Trading Card Game, transação que foi apontada como a mais cara da história do jogo de cartas. Mas, segundo o site PokéBeach, as cartas podem ser falsas.

As suspeitas surgiram da seguinte questão: seria possível haver tantos conjuntos lacrados da primeira edição do jogo base do card game lançado em 1999? Além disso, cada pacote poderia conter diversas cartas que, individualmente, valem muito mais do que o preço de toda a compra. Com as suspeitas em mente, o site PokéBeach e o YouTuber Rattle foram atrás de evidências.

A primeira delas foi encontrada na busca pela origem das caixas. O primeiro indício encontrado foi no eBay Canadense, onde um vendedor totalmente desconhecido e sem nenhum feedback de vendas estava oferecendo a coleção em um leilão, mas rapidamente levantou a suspeita de colecionadores que queriam saber a origem da caixa para verificar sua autenticidade.

O vendedor contou três histórias conflitantes sobre a origem da coleção, o que não impediu o leilão de continuar e ser arrematado por US$ 72.500 (cerca de R$ 415 mil na cotação atual), valor muito menor do que os US$ 2,6 milhões (quase R$ 15 milhões na cotação atual) que seis booster boxes valem atualmente se estiverem em perfeitas condições. 

Logan Paul e card Pokémon
Logan Paul e card Pokémon
Foto: Logan Paul / Reprodução

Mas rapidamente o comprador desistiu da compra: mesmo aceitando o lance, o vendedor não aceitou a ideia do comprador de inspecionar a caixa pessoalmente antes da efetivar o pagamento, o que ligou o sinal de alerta. Algum tempo depois, a coleção foi vendida para um colecionador de cartões esportivos por um valor não revelado. O colecionador autenticou a caixa através da empresa Baseball Card Exchange (BBCE), que tem pouca - ou nenhuma - experiência em verificar itens de Pokémon, segundo o PokéBeach. Além disso, a verificação não foi mostrada publicamente, procedimento que é comum em análises controversas - o que levantou ainda mais as suspeitas da comunidade.

O colecionador vendeu a coleção por US$ 2,7 milhões para outro entusiasta de cartões esportivos, que a vendeu novamente para Logan Paul por R$ 3,5 milhões - lucros impressionantes para uma caixa fechada.

O site PokéBeach dá diversos outros indícios que contestam a autenticidade da caixa, desde uma análise das etiquetas e dos códigos de barras presentes na caixa até a fita usada para lacrá-la - essas análises são comuns entre colecionadores sérios, que costumam contratar empresas especializadas para isso.

Depois de tantos indícios de fraude, Logan Paul também começou a - finalmente - desconfiar do seu "investimento".

O criador de conteúdo anunciou em seu Twitter que está a caminho de Chicago para fazer uma visita à BBCE e verificar o caso. Ainda não é possível prever qual será o resultado de toda essa história, mas abrir a caixa para revelar seu conteúdo não parece estar nos planos de Logan, ao menos por enquanto. 

Se as caixas forem realmente falsas, reverter toda essa situação não será nada simples, e vender a coleção não parece ser uma opção depois de uma história tão duvidosa e inconsistente. 

Fonte: Game On
Publicidade
Publicidade