PUBLICIDADE
Logo do

Palmeiras

Meu time

Abel Ferreira minimiza seu papel para o sucesso do Palmeiras

Em evento de inauguração de nova sala de troféus do clube, que comemora 107 anos, técnico reduziu peso que teve para feitos recentes do time

26 ago 2021 21h14
| atualizado às 21h46
ver comentários
Publicidade

Nesta quinta-feira, dia em que o Palmeiras comemora 107 anos de vida, o clube aproveitou para inaugurar a sua nova sala de troféus, localizada no Allianz Parque. Presente no evento, Abel Ferreira pôde rever as três taças que conquistou desde que chegou ao comando do time, com o qual conquistou o Paulistão, a Copa do Brasil e a Libertadores. Ao falar sobre os troféus, o treinador português acabou minimizando o peso que teve para a temporada de sucesso da equipe.

Taças expostas na nova sala de troféus do Palmeiras, inaugurada nesta quinta-feira
Taças expostas na nova sala de troféus do Palmeiras, inaugurada nesta quinta-feira
Foto: Reprodução/Facebook/@sepalmeiras

"Para ser muito sincero, não consigo sentir essa importância. Pode ser que, daqui a 15, 20 anos, quando o Palmeiras me convidar para vir aqui, já bem velhinho. Será um grande prazer", disse o técnico.

Abel lembrou da desconfiança que precisou encarar no momento em que desembarcou no Brasil, já que chegou com um modesto currículo. "Uma das coisas que mais gosto de fazer é pesquisar, e a informação está por todos os lados hoje. Quando eu vim para o Palmeiras, as pessoas que não me conheciam tinham dúvidas, já que eu não tinha títulos. O Guardiola já não teve títulos, assim como o (Vanderlei) Luxemburgo e o Luiz Felipe Scolari", disse o comandante.

"Ninguém pode ser antes de o ser. Quando decidi abraçar o projeto do Palmeiras, percebi que este clube oferece todas as condições para que os funcionários triunfem. A aposta foi forte, deixei minha família para trás. Sabíamos que, ao atravessar o Atlântico, poderíamos escrever o nosso nome na história do Palmeiras", completou.

Por fim, Abel garantiu que sua trajetória pelo Palmeiras terá sempre um espaço especial em sua memória como treinador. "Todos os clubes pelos quais você passa te marcam. Na chamada glória eterna, a minha será pintada de verde. Não posso sentir saudades agora, porque faço parte desta família, mas é algo que seguramente vai ficar eternamente gravado no meu coração e na minha memória", finalizou.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade