PUBLICIDADE

De lados opostos também fora do campo: Fluminense e Flamengo repetem tensões em final do Carioca

Em 2020, discussões foram sobre a volta do futebol e direitos de transmissão. Em 2021, debate cerca o retorno do público aos estádios

15 mai 2021 06h32
ver comentários
Publicidade

Exatos dez meses depois, Fluminense e Flamengo voltam a se enfrentar em uma decisão de Campeonato Carioca. Os times mudaram, as circunstâncias e resultados também, mas uma coisa se mantém: as discussões extra-campo. Se em 2020 o problema envolvia transmissão e a volta do futebol em meio à pandemia da Covid-19, desta vez o debate é com relação ao retorno do público aos estádios. Enquanto o Rubro-Negro se mostrou a favor, o Tricolor se manteve contrário a essa possibilidade. O primeiro confronto entre as equipes é neste sábado, às 21h05, com transmissão em tempo real do LANCE!.

Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, e Rodolfo Landim, do Flamengo (Montagem Lance!
Fotos: Lucas Merçon / Fluminense; Alexandre Vidal / Flamengo)
Mário Bittencourt, presidente do Fluminense, e Rodolfo Landim, do Flamengo (Montagem Lance! Fotos: Lucas Merçon / Fluminense; Alexandre Vidal / Flamengo)
Foto: Lance!

Para o jogo deste fim de semana não houve tempo hábil para qualquer operação com torcedores, mas Flamengo e Ferj tinham a expectativa de contar, ao menos, com 30% de público no Maracanã na partida de volta. Na noite desta sexta-feira, porém, a Prefeitura do Rio indeferiu o pedido do clube rubro-negro e vetou a presença de torcida nos dois jogos da decisão.

VOLTA OU NÃO

Mas a divergência entre Fla e Flu fora dos gramados se estendeu ao longo dos meses. Ainda em maio de 2020, o Flamengo voltou aos treinamentos mesmo sem autorização do Governo do Rio. Após pressão do Rubro-Negro e do Vasco, a prefeitura autorizou os coletivos em junho. Fluminense e Botafogo se posicionaram contra e nem participaram da reunião que definiu essa mudança. Mesmo com a possibilidade de treinos com bola, os dois clubes permaneceram com as atividades à distância.

Com ânimos acirrados na reunião, ficou definida a volta do Estadual em 18 de junho, mas Bota e Flu reafirmaram que não entrariam em campo naquele mês, especialmente porque não haviam retornado aos treinos presenciais, e foram à Justiça. Primeiro o TJD-RJ indeferiu o pedido, depois, ficou nas mãos do STJD, mas a Prefeitura acabou adiando as partidas em alguns dias. O Tricolor fez o primeiro treino no dia 19 de junho e o Alvinegro no dia seguinte. Relembre toda cronologia da confusão na época.

TRANSMISSÃO

Depois disso, houve um imbróglio por conta da transmissão das partidas. Para o Carioca de 2020, o Grupo Globo assinou com 11 dos 12 participantes, à exceção do Flamengo. Se valendo da Medida Provisória 984, o Rubro-Negro transmitiu uma partida contra o Boavista na FlaTV e a emissora decidiu romper o vínculo com todos do campeonato, o que gerou indefinição com as finais.

Na Taça Rio, o Flu era o mandante, definido em sorteio, e poderia transmitir a partida. No entanto, o TJD foi acionado e o Fla chegou a ter uma liminar para exibir o clássico. A exclusividade do Tricolor foi garantida apenas pouco antes de a bola rolar. Na época, o presidente Mário Bittencourt atribuiu a manobra à Ferj, a quem acusou de tentativa de furto semelhante aos que são cometidos com sinais de TV, batizando "GATOFERJ".

VOLTA DE PÚBLICO

A tensão da vez está ligada ao retorno do público aos estádios. Dos quatro grandes do Rio de Janeiro, apenas o Flamengo faz força, junto à Ferj, para que as torcidas estejam no Maracanã nas finais do Estadual. O clube propôs à Prefeitura um protocolo para possibilitar a presença de torcedores na segunda partida, mas teve o pedido indeferido nesta sexta-feira. O Fluminense é completamente contrário a esta medida.

Independentemente do que acontecer fora dos campos, Fluminense e Flamengo buscam o título do Estadual. O Tricolor quer quebrar o ingrato jejum de troféus que vem desde 2012, enquanto o Rubro-Negro tenta o tricampeonato.

Lance!
Publicidade
Publicidade