PUBLICIDADE

Advogado emite suas impressões sobre caso no STJD envolvendo Juazeirense e Sport

Partida que valeu pela primeira fase da Copa do Brasil onde o time baiano se classificou foi cercada de paralisações e intensa reclamação por parte do Leão da Ilha

29 mar 2021 16h54
| atualizado às 16h54
ver comentários
Publicidade

No último dia 10 de março, Juazeirense e Sport atuaram pela primeira fase da Copa do Brasil onde, diante de vários eventos que paralisaram a partida que terminou 3 a 2 para o time baiano, o Leão da Ilha foi eliminado da competição fazendo diversas reclamações acerca do contexto em que se deu a queda.

Confronto aconteceu no Estádio Adauto Pinheiro, em Juazeiro (Anderson Stevens/Divulgação/Sport)
Confronto aconteceu no Estádio Adauto Pinheiro, em Juazeiro (Anderson Stevens/Divulgação/Sport)
Foto: Lance!

Quase vinte dias após a realização da partida, o caso que foi comentado pelo advogado Victor Amado segue sob análise do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Segundo a análise do caso feita por Victor, o ponto central da questão seria obter a comprovação de que houve algum tipo de "sabotagem" por parte do Juazeirense em relação aos problemas de iluminação. Elemento esse que fez o confronto demorar quase três horas desde seu início até a declaração de encerramento.

- De fato aconteceu uma situação inusitada em que houve a constatação na súmula onde há a presunção de veracidade. Daí, o Sport precisaria comprovar a suposta sabotagem e, existindo ela, condenando o Juazeirense buscando suporte no Artigo 22 do Regulamento Geral de Competições. O caminho seria esse, a tentativa de comprovar a sabotagem. O Sport já fez uma notícia de infração, que é o que cabe, em um pedido para que analisem a irregularidade onde há a necessidade de comprovação. Com relação as condenações como perda de pontos, exclusão da competição, isso vai de acordo com os fatos apurados.

O artigo citado pelo advogado que é também gestor administrativo do escritório Cortez Amado Advogados além de presidente da Comissão da OAB de Goiás trata dos termos de encerramento precoce de uma partida após os 30 minutos do segundo tempo "desde que nenhum dos Clubes tenha responsabilidade pelo encerramento da partida."

Lance!
Publicidade
Publicidade