PUBLICIDADE

Covid-19: campanha contra Olimpíada ganha força no Japão

Batizada de "Impeçam a Olimpíada de Tóquio", iniciativa já angariou mais de 210 mil assinaturas

7 mai 2021 12h15
| atualizado às 12h34
ver comentários
Publicidade
Logo da Olimpíada Tóquio-2020 em Tóquio
22/01/2021 REUTERS/Issei Kato
Logo da Olimpíada Tóquio-2020 em Tóquio 22/01/2021 REUTERS/Issei Kato
Foto: Reuters

Uma petição virtual que pede que a Olimpíada de Tóquio seja cancelada obteve mais de 200 mil assinaturas no Japão nos últimos dias devido aos temores públicos crescentes da realização dos Jogos em meio a uma pandemia.

Faltando menos de três meses para o início da Olimpíada de Verão, já adiada em um ano devido ao coronavírus, ainda se questiona se Tóquio consegue sediar o evento global preservando a segurança de voluntários, atletas, autoridades e o público japonês.

Dois dias após seu lançamento, uma campanha virtual batizada de "Impeçam a Olimpíada de Tóquio" angariou mais de 210 mil assinaturas, superando sua meta inicial de 200 mil.

Enfrentando uma quarta onda de Covid-19 e sofrendo com uma vacinação lenta, moradores de Tóquio estão céticos a respeito da realização da Olimpíada e receosos de visitantes estrangeiros.

"É absurdo estarmos realizando a Olimpíada sob uma pandemia de Covid", opinou Katsumi Abiko, dono de uma loja de kimono.

"Se tomarmos agora a decisão de cancelá-la, o Japão será elogiado por tomar a decisão certa e lembrado pela História", disse Abiko, de 79 anos, à Reuters.

O governo japonês prorrogará estados de emergência em Tóquio e três outras áreas até o final de maio. Pesquisas de opinião mostram que a maioria do público se opõem aos Jogos, que devem começar em 23 de julho, mas os organizadores insistem que eles acontecerão, apresentando protocolos de segurança detalhados para atletas e autoridades.

Japão inicia vacinação a cinco meses dos Jogos Olímpicos:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade