PUBLICIDADE

Morre Pelé, o Rei do Futebol, aos 82 anos

Vítima de um câncer, jogador foi tricampeão do mundo pela seleção brasileira e fez história no Santos com diversas conquistas e gols. Ele estava internado desde 29 de novembro

29 dez 2022 - 16h11
(atualizado às 19h46)
Compartilhar
Exibir comentários

Pelé está morto. Aos 82 anos, o melhor jogador de todos os tempos não resistiu ao tratamento de um câncer no cólon. Ele estava internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Seu coração bateu pela última vez de forma lenta e pausada, sem que seu corpo sentisse qualquer dor. Estava sedado. Pelé morreu sereno, tranquilo e calmo, como sempre se comportou diante dos zagueiros e goleiros que tentaram impedir seus gols. Tudo o que era possível fazer, foi feito.

Pelé nunca desistiu da vida. Ela sempre lhe deu muito. E ele a todos nós. Pelé queria viver mais. Ele terminou os seus dias amparado pela mulher, Márcia, com o carinho dos filhos e rezando no quarto do hospital, um hábito que sempre o acompanhou, mas que nos últimos tempos era quase uma obsessão. Pelé rezava com os médicos. Levou sua fé até o fim e a Deus nunca deixou de agradecer pelo dom dado sem pedir nada em troca.

O futebol está de luto. O dia de sua morte será lembrado para sempre, assim como sua história. "Pelé morreu" vai ser a frase mais dita nos próximos dias em Três Corações, Bauru, Santos, São Paulo, Brasil e em todos os cantos do planeta. Seu corpo será velado na Vila Belmiro. A família pediu para o corpo ser cremado. Haverá muita gente incrédula com a notícia. Mas ninguém indiferente a ela. Sua história continuará sendo contada de geração em geração até o fim dos tempos. Reis, rainhas e presidentes vão chorar sua morte e reverenciar o que ele fez em vida. O futebol vai demorar para entender o que essas duas palavras significam: "Pelé morreu". A notícia vai correr o mundo. Não se sabe se um dia o futebol deixará o luto. Suas histórias vão virar lenda. Pelé está morto.

O Brasil ainda não sabe o que sua morte significa. Vai descobrir com o tempo, em meio à dor da perda de um filho pródigo e de um vazio inigualável. Inigualável porque Pelé foi o maior jogador da história do futebol. Não há nem haverá outro como ele. A notícia de sua morte vai ecoar pelo mundo. Onde há uma bola, há reverência a Pelé, seu talento e história. O futebol chora sua morte. Pelé está morto.

Ele deixa milhões de admiradores e seguidores nas redes depois de viver os últimos anos numa luta quase que diária com suas doenças. Há anos, sua saúde estava cada vez mais debilitada, de altos e baixos, com momentos estáveis e outros nem tanto. Pelé foi definhando em vida, longe da bola e cada vez mais distante dos compromissos profissionais. Em seus últimos momentos, nem de longe lembrava aquele atleta esbelto e dono de movimentos precisos. Mas Pelé reinou absoluto até o fim. Ele deixa mulher e sete filhos. Um câncer o derrubou, mas não somente. Ele tinha outras doenças graves, uma delas nos músculos das pernas. Tentou um tratamento nos EUA, mas não deu certo. Também tinha enfermidades no coração.

Neste dia em que não haverá notícia maior e mais sentida do que sua morte, Pelé se junta a outros gênios da humanidade, como Leonardo da Vinci, William Shakespeare, Albert Einstein, Villa-Lobos e alguns mais por quem o mundo se dobrou. Os feitos de Pelé como jogador correram o mundo e se tornaram maiores do que ele próprio, um sujeito simples que gostava de reunir a família em volta da mesa aos domingos, de cantar e contar histórias. Sua fama o precede desde os 17 anos, quando estreou pela seleção brasileira na Copa de 1958. Nascido Edson Arantes do Nascimento, Pelé foi homem e deus ao mesmo tempo. Em vida, recebeu muitos homenagens. A última delas, uma coroa na camisa do Santos. Em sua morte, recebe gratidão. Pelé está morto.

Na Copa do Mundo do Chile, quatro anos mais tarde, Pelé já não era mais aquele menino desconhecido em meio a jogadores formados. Pelé já era Pelé. Todos queriam vê-lo jogar. Sua lenda corria o mundo com as cores do Santos, que fazia muitas excursões, e da seleção campeã do mundo, mas ainda estava longe de ser uma celebridade como se tornaria mais tarde. Mas ele se machucou na segunda apresentação do Brasil naquele Mundial. Então, sob o comando de Garrincha, a seleção chegou ao bicampeonato. Pelé e Garrincha nunca perderam um jogo juntos.

Em alta na seleção, Pelé mantinha também a grande fase no Santos. Ao lado de Pepe, Coutinho e tantos outros craques do clube da Baixada, levou a equipe paulista a dois títulos do Mundial da Fifa e outros dois da Libertadores da América, em 1962 e 1963. Não se cansava de ganhar o Paulistão quando os Estaduais tinham mais importância do que qualquer competição. Foram nove conquistas estaduais entre 1958 e 1969 e mais uma em 1973. Por onze vezes, Pelé foi artilheiro do torneio regional. Em 1958, marcou 58 gols. Boa parte dos seus 1.281 gols está registrada no filme Pelé Eterno, de 2004, dirigido por Anibal Massaini Neto, com roteiro de José Roberto Torero e Armando Nogueira.

Homem e deus

Com tanto sucesso, ele deixava de ser meramente um jogador de futebol para se tornar uma lenda. Campanhas de publicidade, músicas gravadas com grandes artistas e até participações em filmes e novelas passaram a fazer parte da rotina de Pelé entre um treino e outro. Casou três vezes. Tudo na sua vida era um grande acontecimento, desde o primeiro casamento com Rosimere dos Reis Cholbi ao nascimento dos filhos. Depois namorou com Xuxa, ícone da televisão brasileira. Onde ia, Pelé arrastava multidões. Acertou e fracassou em negócios fora de campo, virou garoto-propaganda de marcas importantes e nunca deixou seu nome desaparecer. Sua lenda vai correr o mundo para sempre.

Em campo, manteve sua qualidade até o fim. Pelé seguia o enredo de liquidar com os rivais e aumentar sua coleção de vitórias, conquistas e gols. Nunca teve outro objetivo a não ser ganhar o jogo. Os companheiros contam que ele chegava a dormir no vestiário antes das partidas. Diziam que Pelé sonhava com as jogadas. Quando isso acontecia, era vitória na certa. Em 1969, no Maracanã, contra o Vasco, ele fez seu milésimo gol. Foi um acontecimento. O povo brasileiro perseguiu a façanha por semanas. E tinha de ser de bola parada, em cobrança de pênalti, para o mundo ver, e no palco maior do futebol nacional, o Maracanã. Agora Pelé está morto.

Pelé comemora o primeiro gol do Brasil na decisão da Copa de 1970 contra a Itália. O goleiro Albertosi está caído no chão e a bola no fundo do gol. A seleção brasileira venceu a Itália por 4 a 1 e tornou-se tricampeã
Pelé comemora o primeiro gol do Brasil na decisão da Copa de 1970 contra a Itália. O goleiro Albertosi está caído no chão e a bola no fundo do gol. A seleção brasileira venceu a Itália por 4 a 1 e tornou-se tricampeã
Foto: Oswaldo Luiz Palermo/Estadão / Estadão

Mas foi na Copa do Mundo de 1970, no México, que sua vida ganharia contornos épicos. Depois do fiasco brasileiro no Mundial de 1966, quando se machucou novamente, Pelé foi o destaque daquela que é considerada por muitos a melhor seleção de todos os tempos. Ele fez da Copa de 70 a pincelada final de sua obra. Após viajar para o México sob desconfiança, conduziu o time ao tricampeonato. Tinha 29 anos. Já era chamado de Rei. Sabia que aquela seria sua última Copa e fez com que todos comprassem sua ideia de se despedir com mais uma conquista. Pelé foi homem e deus ao mesmo tempo, não se sabe até hoje em qual ordem. O homem está morto. O deus viverá para sempre.

Após o tri

Pelé se despediu da seleção um ano depois, em 1971, e do Santos logo em seguida, em 1974, mas ainda teria mais um desafio. Em 1975, aceitou convite do Cosmos de Nova York para reforçar a equipe e popularizar o futebol nos Estados Unidos. Tornou-se campeão americano de soccer em 1977, ano de sua aposentadoria definitiva. Descalçava as chuteiras para vestir os ternos. Assim, tornou-se ministro dos esportes no governo Fernando Henrique Cardoso. Assinou uma lei tão ou mais importante do que seus gols: a Lei Pelé, que libertava os jogadores das amarras contratuais dos clubes. Era o fim do passe e o começo dos direitos dos atletas.

Mesmo aposentado no fim dos anos 70, o futebol nunca sairia de sua vida. Pelé tornou-se presença frequente em jogos do Santos, programas televisivos e campanhas publicitárias, sempre apoiado pelo carisma e apelo popular. Viajou o mundo para levar sua marca e as marcas que o patrocinava. Chegou a se envolver em polêmicas familiares e discussões públicas com desafetos, como Maradona e Romário, mas nada que não se resolvesse com o tempo. Foi gentil ao mandar flores na morte do argentino, quem mais perto esteve de sua coroa. Disse ter perdido um amigo quando Diego morreu em novembro de 2020. Dois anos depois, chegou a sua hora. Ele deixa esse mundo com uma única certeza, de que seu nome será cultuado para sempre. O Brasil perde seu Rei. Pelé está morto.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade