1 evento ao vivo

Marin vê omissão de Felipão como motivo para fiasco na Copa

19 mar 2015
22h26
atualizado em 20/3/2015 às 00h04
  • separator
  • comentários

A goleada por 7 a 1 sofrida para a Alemanha no Mineirão, que encerrou a instável trajetória da Seleção Brasileira na última Copa do Mundo, ainda tenta ser explicada pelos membros da CBF. O presidente da entidade, José Maria Marin, criticou a postura do comandante Luiz Felipe Scolari e afirmou que a omissão da comissão técnica foi determinante para a construção do desastre.

Na concepção do mandatário, Felipão deveria ter tomado duas medidas de precaução no duelo com a Colômbia, pelas quartas de final. Marin disse que o certo seria preservar Neymar - vítima de uma joelhada de Zúñiga, que tirou o camisa 10 da Copa - e também Thiago Silva. Porém, ele se equivocou ao tratar da substituição do capitão, uma vez que o defensor já havia sido punido com cartão amarelo quando o esquadrão canarinho marcou o segundo gol e fechou a vitória por 2 a 0.

<p>José Maria Marín culpa Felipão por fracasso na Copa do Mundo</p>
José Maria Marín culpa Felipão por fracasso na Copa do Mundo
Foto: Mauro Pimentel / Terra

"Quando fizemos 2 a 0 contra a Colômbia, com gol de falta do David Luiz, a providência imediata naquele instante seriam as substituições de Neymar, que não tinha se machucado ainda, e Thiago Silva. Ambos tinham amarelo. Foram detalhes decisivos. Houve omissão da comissão técnica. Alguém deveria ter percebido isso", disparou, ainda que equivocado, em entrevista ao SporTV.

Adiante, Marin preferiu não detalhar o fiasco ocorrido em Belo Horizonte, mas expôs o panorama observado nos dias que antecederam o compromisso diante da formação germânica, que ficou com a taça. "Neymar, além da ausência importantíssima dentro de campo, gerou um impasse psicológico. A Seleção Brasileira ficou abalada, e nem preciso dizer o que houve em seguida".

Assim, o presidente da CBF enxerga os Jogos Olímpicos de 2016 como uma alternativa de redenção por parte dos canarinhos, que ainda tentam minimizar o fiasco do Mundial. "Nossa responsabilidade ficou maior, pois não pudemos dar uma grande alegria ao povo brasileiro, que é merecedor. Além disso, é uma conquista que não conta em nosso currículo futebolístico. Ou seja, oportunidade imensa", findou.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade