7 eventos ao vivo

Após empate, Hugo exalta base do Flamengo e se emociona ao lembrar do pai

Arqueiro teve a chance de começar um jogo do time profissional e se destacou no empate com o Palmeiras

27 set 2020
19h20
atualizado às 19h33
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Bicampeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior, o goleiro Hugo teve a chance de começar um jogo como titular do time profissional do Flamengo após a equipe sofrer um surto de covid-19, que fez com que a partida fosse confirmada apenas 15 minutos antes do horário oficial. O camisa 45, conhecido como Neneca, foi um dos destaques do duelo e exaltou as categorias de base do clube, que praticamente formou o time rubro-negro neste domingo no empate por 1 a 1.

"Na verdade é que a gente desde o início está preparado para jogar, independentemente da situação. Tivemos grandes desfalques, de grandes jogadores, mas mostramos que o Flamengo também faz grandes atletas, pratas da casa. A questão de ter ou não jogo, isso não cabe a nós. Fizemos um grande jogo, não saímos com a vitória, mas fizemos um grande jogo", falou o jogador.

Hugo se emocionou após o apito final do jogo entre Palmeiras e Flamengo no Allianz Parque
Hugo se emocionou após o apito final do jogo entre Palmeiras e Flamengo no Allianz Parque
Foto: Reprodução / Twitter / Flamengo / Estadão

Além de Hugo, outros jovens jogadores iniciaram o duelo contra o Palmeiras. São eles: os zagueiros Otávio e Natan, os laterais João Lucas e Ramon, além dos atacantes Guilherme Bala e Lincoln. Fora os atletas que entraram na etapa complementar: Yuri de Oliveira, Richard Rios e Lázaro.

Após o duelo, que deixou o Flamengo com 18 pontos na tabela de classificação, Hugo emocionou a todos ao dedicar o bom jogo ao pai, que faleceu há seis meses. Ele acompanhou toda a trajetória do filho até chegar ao profissional do clube carioca.

"Não jogo faz nove meses, a minha última partida foi no sub-20. A diferença entre a última e essa é que meu pai tava (sic) na arquibancada, hoje ele não está. Fazem seis meses que eu o perdi. Ele me deu tudo, meu incentivador. Foi meu primeiro jogo, primeira vez que entrei em campo sem ele. Ele não viu o jogo na TV, não teve essa sensação, mas viu lá de cima. Sempre entrei em campo pensando na minha família, em dar um sustento melhor pra eles, tenho meus irmãos, preciso cuidar deles. Essa vitória não é só minha, é de tudo que tem em volta de mim, o trabalho do Flamengo, que dá todo suporte para jogar. Sou novo, da base, 12 anos de clube, e uma oportunidade dessa não pode deixar passar", concluiu.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade