PUBLICIDADE

Tá no sangue! Neta de cartola sonha com medalha em Toronto

Luisa Borges, neta de Coaracy Nunes, presidente da CBDA, espera chegar ao pódio ao lado de parceira Duda Micucci no nado sincronizado

10 jul 2015
11h04 atualizado às 11h07
0comentários
11h04 atualizado às 11h07
Publicidade

Praticar esportes está literalmente no sangue de Luisa Borges. Neta de Coaracy Nunes, presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), e filha de pais que também atingiram níveis profissionais dentro das piscinas, a brasileira não tem outro pensamento que não seja subir ao pódio no dueto do nado sincronizado dos Jogos Pan-Americanos de Toronto.

Incentivada pelo avô, Luisa não tinha dúvidas que seu futuro acabaria no esporte. Mas se engana quem pensa que a família pesava para que ela escolhesse as piscinas. Segundo ela, essa pressão nunca existiu. Foi uma descoberta natural ao experimentar as modalidades.

Luisa e Duda (dir.) são amigas dento e fora da piscina
Luisa e Duda (dir.) são amigas dento e fora da piscina
Foto: Osmar Portilho / Terra

“Minha família inteira é adepta à prática de esportes. Meu avô sempre me incentivou também, mas não necessariamente na natação. Sempre quis que eu tivesse um futuro bom. Nado desde pequenininha, mas no sincronizado estou desde 2009. Minha mãe foi atleta profissional também, e meu pai da natação. Escolhi o nado porque achei maneiro esse negócio de música dentro d’água. Entrei e não sai mais. Esporte está no sangue, com certeza”, contou Luisa, que demonstra o desejo de seguir com a história da família: “com meus filhos vai ser assim também”.

Dueto do nado aposta em capoeira e Amazônia para encantar:

Luisa, que tem apenas 19 anos, possui um entrosamento ótimo com Duda, um ano mais velha. Parceiras de piscina, elas admitiram uma falha na apresentação da última quinta-feira, quando terminaram a rotina técnica na quarta posição, mas acreditam que será possível reverter essa situação para subir ao pódio no próximo sábado, quando a parte de rotina livre definirá as medalhistas.

“Tivemos um pequeno erro de sincronização no final, mas foi uma excelente nadada. Agora vamos lutar para no livre conseguir um resultado melhor. No sábado é literalmente diferente: outra coreografia, outro maiô, tudo... Estamos vindo com muita força, estão todos comentando e olhando para nós. Sábado temos chance de virar com certeza”, disse Luisa, que não pestanejou ao ser perguntada sobre o objetivo: “medalha, com certeza”.

 

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade